Aborto: uma ferida incurável?
abril 18, 2013
EXPO-LIVROS – Novidades Loyola 18.04.44
abril 18, 2013

A Comunhão dos Santos, a Remissão dos Pecados, a Ressurreição da Carne, a Vida Eterna. Reencarnação?

129 O que significa: “creio na comunhão dos santos”?

Nós cremos na comum união (“comunhão”) de todos os fiéis em Cristo: nós, peregrinos nesta terra e também os que passam pela purificação após a morte bem como os glorificados nos céus, conforme disse Jesus: Quem crê em mim, ainda que esteja morto viverá (Jo 11,25). Esta realidade é uma resposta do Pai à súplica do Salvador na Última Ceia: Pai, que eles sejam um! (Jo 17,11.22).

Deste modo os santos no céu nos assistem e intercedem por nós, pedindo que se faça justiça sobre a terra (ver Ap 6,9-11) e as orações dos santos (de todos: dos que estão nesta vida e dos que já vivem na glória do Pai) sobem ao Pai como incenso dos turíbulos de ouro dos Anjos na grande liturgia celeste (ver Ap 7,9; 8,2-5).

130 O que significa “creio na remissão dos pecados”?

Nosso Senhor Jesus Cristo nos ensinou a pedir ao Pai que perdoe nossas dívidas, assim com nós perdoamos aos nossos devedores (Mt 6,12). Ele acrescentou: Se perdoardes aos homens seus delitos, também o vosso Pai dos céus vos perdoará; se não perdoardes aos homens, o vosso Pai não perdoará os vossos delitos (Mt 6,14-15). Jesus insistiu conosco para perdoarmos 77 vezes 7 (Mt 18,21-22).

O perdão ocupa lugar central no Evangelho do Reino. Para que soubéssemos que Ele, o Filho do Homem, tinha poder, nesta terra, de perdoar os pecados Jesus curou o paralítico (Mt 9,2-8). Na tarde do domingo da ressurreição, soprou sobre os Apóstolos e concedeu-lhes o Espírito Santo para que tivessem este poder de perdoar os pecados (Jo 20,19-23).

Assim, uma das missões apostólicas é “o ministério da reconciliação”: Tudo isto vem de Deus, que nos reconciliou consigo por Cristo e nos confiou o ministério da reconciliação. Pois era Deus que reconciliava o mundo consigo, não imputando aos homens as suas faltas e colocando em nós a palavra da reconciliação. Sendo assim, exercemos, em Nome de Cristo, esta função de embaixadores, e, por nosso intermédio é Deus mesmo que vos exorta: reconciliai-vos com Deus! Aquele (Jesus) que não havia conhecido o pecado, Deus o fez pecado por causa de nós a fim de que, por ele, nos tornemos justiça de Deus (2Cor 5,19-21).

Deste modo, Paulo cumpre a ordem do Salvador de que, em Nome d’Ele, fosse proclamado o arrependimento para o perdão dos pecados a todas as nações, a começar por Jerusalém, graças à força do Alto, isto é, o Espírito Santo prometido (ver Lc 24,47-49).

131 O que significa: “creio na ressurreição da carne?

Como ensinou São Paulo: Agora vemos em espelho e de modo confuso, mas depois O veremos (a Deus) face a face. Agora o meu conhecimento é limitado, mas, depois, conhecerei (a Deus) como sou conhecido (1Cor 13,12). Esta é a nossa fé, que se fundamenta na palavra de Jesus: Sim, esta é a vontade do meu Pai: quem vê o Filho e nele crê tem a vida eterna, e eu o ressuscitarei no último dia (Jo 6,40).

A fé na ressurreição dos mortos é tão fundamental para o cristão que São Paulo argumenta: Ora, se pregamos que Cristo ressuscitou dos mortos, como podem alguns de vós dizer que não há ressurreição dos mortos? Se não há ressurreição dos mortos, também Cristo não ressuscitou. E se Cristo não ressuscitou, nossa pregação é inútil e inútil é também a nossa fé (1Cor 15,11-14).

Paulo insiste: Irmãos, não queremos que ignoreis o que se refere aos mortos, para não ficardes tristes, como os que não tem esperança: se cremos que Jesus morreu e ressuscitou assim também os que morreram em Jesus, Deus há de levá-los em sua companhia … Quando o Senhor, à voz do Arcanjo e ao som da trombeta divina, descer do céu, então os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro. Em seguida, nós, os que estivermos vivos, seremos arrebatados com eles sobre as nuvens para o encontro do Senhor nos ares. E assim estaremos para sempre com o Senhor (1Ts 4,13-17).

Na verdade, o corpo … é para o Senhor e o Senhor é para o corpo. Ora, Deus que ressuscitou o Senhor, ressuscitará também a nós pelo poder … Ora não sabeis que os vossos corpos são membros de Cristo? (1Cor 6,13-15.19).

132 Por que a Igreja não aceita a doutrina da “reencarnação”?

A Igreja não aceita a doutrina da reencarnação, porque a morte é o fim da nossa peregrinação terrestre, como está escrito: Está decretado que os homens morram uma só vez (Hb 9,7).

O perdão de Jesus é superabundante, como Ele disse ao ladrão com ele crucificado: Hoje mesmo estarás comigo no paraíso (Lc 23,43). Na sua Cruz, Cristo, nosso Redentor, rasgou o documento de nossas culpas e dívidas: Ele nos perdoou de todas as nossa faltas. Apagou, apesar das determinações da lei, o título de dívida que existia contra nós, e o suprimiu pregando-o na Cruz (Cl 2,14).

A doutrina da reencarnação se baseia na idéia de que o pecador deve pagar suas culpas, ou nesta vida ou por sucessivas reencarnações. A Palavra de Deus, pelo contrário, nos dá a confiança de que Cristo pagou por nós e não nos fala de reencarnação, mas promete a ressurreição. Este é o ensino bíblico: Jesus é o nosso Salvador e o perdão que Ele pediu ao Pai basta para nossa redenção.

133. O que significa “creio na vida eterna”?

Os que morrem na paz e na amizade de Cristo e os que forem totalmente purificados de suas culpas, vivem para sempre em Cristo (1Ts 2,13-17). São, para sempre, semelhantes a Deus, pois o verão tal como ele é (1Jo 3,2), isto é, nós O veremos face à face (1Cor 13,12; Ap 22,4). Cada um de nós conservará a própria identidade e terá um nome próprio no céu: Ao vencedor darei … um nome novo, que ninguém conhece, salvo aquele que o recebe (Ap 2,17). Então, faremos parte da grande multidão, que ninguém podia contar de todas as nações, tribos, povos e línguas … de pé, diante do trono do Cordeiro, trajados de vestes brancas e com palmas nas mãos, louvando o Senhor: “A salvação pertence aos nosso Deus, que está sentado em seu trono e ao Cordeiro!” (ver Ap 7,9-13).