Conhecimento humano de Deus – 2ª parte
abril 18, 2013
Deus tudo criou bom: seres visíveis e seres invisíveis (Anjos)
abril 18, 2013

A Trindade

trindade

Os 3 Anjos de Abraão (Gn 18) inspiram a ‘Trindade’ de André Rublev

18. Jesus é igual ao Pai?

Sim. Ele mesmo disse a Felipe: Quem me viu, viu o Pai. Como dizes então: “Mostra-me o Pai?” Não crês que estou no Pai e o Pai está em mim? (Jo 14,9-10). Disse também: Enquanto vou para ti, Pai Santo, guarda-os em teu Nome, o qual me deste, para que sejam um como nós … Dei-lhes a glória que me deste, a fim de que sejam um como nós somos um (Jo 17,11.22).

19. Como é a união do Pai e do Filho e do Espírito Santo?

A união do Pai e do Filho e do Espírito Santo é perfeitíssima, sem nenhuma divisão. Assim o Espírito recebe o que é do Filho, e o que é do Filho é tudo o que o Pai possui. Por isso, disse Jesus, o Espírito há de receber o que é meu e o anunciará a vós (Jo 16,14-15). Só o Filho tem a capacidade divina de receber tudo o que é do Pai e nos comunicar tudo o que é do Pai pelo Espírito Santo.

20. Qual é, então, o Mistério da Santíssima Trindade?

É o mistério no qual nos é revelado que Deus é união porque é a comunhão perfeitíssima de amor: um só e único Deus em Três Pessoas: o Pai e o Filho e o Espírito Santo. O Pai é Deus, o Filho é Deus e o Espírito Santo é Deus. E não são três deuses, mas um só Deus em três pessoas, o que significa que o Pai é todo para o Filho, o Filho é todo para o Pai e o Espírito procede totalmente de ambos e é o Espírito do Pai e do Filho. Assim, Deus não é um só e único Senhor porque seja solidão, mas porque é uma comunhão de vida e de amor absoluta e perfeitíssima. Por isto, rezamos na Igreja: Que a graça de nosso Senhor Jesus Cristo, o amor do Pai e a Comunhão do Espírito Santo esteja sempre com todos! (2 Cor 13,13).

21. Qual o significado do Mistério da Unidade e da Trindade de Deus em nossa fé?

Porque Deus é Uno e Trino, a comunhão total de vida e de amor, assim nos foi dado por Jesus o Seu mandamento: O que eu vos mando é que vos ameis uns aos outros (Jo 15,17). E o primeiro e maior mandamento é amarás ao Senhor, teu Deus de todo o teu coração, com toda a tua alma, com toda a tua mente (Mt 22,37).

22. O mandamento do amor nos leva a procurar a unidade entre os cristãos, as Igrejas e em toda a humanidade?

Sim. Por isso, também, a busca da unidade é tão importante. Jesus, Bom Pastor, procura as ovelhas perdidas (Mt 10,6). Ele tem pena da multidão que estava dispersa, como ovelhas sem pastor (Mc 6,34) Ele é capaz de deixar 99 ovelhas bem guardadas para ir procurar e trazer de volta uma só extraviada (Lc 15,4). E é o dom da unidade que Jesus implora para nós ao Pai na sua oração da última ceia: Que todos sejam um, como tu, Pai, estás em mim, e eu em ti, para que eles estejam em nós e o mundo creia que tu me enviaste (Jo 17,21). É pela unidade e pela busca da unidade que os discípulos de Jesus serão reconhecidos. A unidade também precisa ser amorosa e corajosamente buscada na superação das injustiças e barreiras que excluem multidões de filhos e filhas do Pai nosso do justo progresso e meios dignos de vida e trabalho.

23. A fé na Santíssima Trindade nos leva a nos empenhar contra as barreiras que separam os seres humanos?

Sim. Por isso, o ministério de Jesus é anunciar um ano de graça – um “jubileu” – do Senhor, quando os pobres serão evangelizados; os prisioneiros terão o anúncio da libertação; os cegos recuperarão a vista; os oprimidos ganharão a liberdade (Lc 4,18-19). Enfim, as barreiras que dividem a humanidade devem ser suprimidas para cumprirmos a vontade do Pai que é unir, sob uma só cabeça, todas as coisas em Cristo, tanto as que estão no céu como as que estão na terra (Ef 1,10).

24. Como nos foi revelado este mistério da Unidade e da Trindade de Deus?

Deus, no Antigo Testamento, revelou a sua unidade e nos deu o primeiro e maior mandamento: “Ouve, ó Israel, o Senhor nosso Deus é o Único Senhor! Portanto amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, com toda a tua alma e com toda a tua força (Dt 6,4-5). Assim, na plenitude dos tempos, o Pai nos enviou o seu Filho – Jesus Cristo – nascido de mulher e sujeito à Lei, para pagar pela liberdade dos que estão sujeitos à Lei, a fim de que nos seja dado ser filhos adotivos (do Pai). E, porque sois filhos, Deus enviou a vossos corações o Espírito do seu Filho, que clama “Abbá!”, que quer dizer “meu Pai” (Gl 4,4-6).

25. Jesus Cristo é verdadeiro Deus?

Jesus Cristo é o Verbo de Deus, que estava em Deus e era Deus, o Verbo que se fez carne e habitou entre nós, do qual vimos a glória, glória como do Filho único do Pai, cheio de graça e de verdade (Jo 1,1.14). Sendo de condição divina, Jesus não pretendeu, para nos salvar, reter para si o ser igual a Deus. Mas esvaziou-se a si mesmo, assumindo a condição de escravo, tornando-se semelhante aos homens (Fl 2,6-7) para nos salvar. Por isso cremos que Jesus, Filho de Deus (Lc 1,35) e filho de Maria (Lc 2,7) é verdadeiro Deus e verdadeiro homem.

26. É Jesus quem nos dá o Espírito Santo?

Sim. Jesus, o grande Deus e Salvador nosso (Tt 2,13), é quem nos batiza no Espírito Santo (Mt 3,11), no poder de Deus (Lc 1,35), conforme a promessa divina: Derramarei o meu Espírito sobre toda a carne (At 2,17). O Espírito é chamado de Santo porque Deus é o Santo (Lv 11,44; Is 57,15). Ele é o Espírito que vem de Deus (1 Cor 2,12), o Espírito de Deus (1 Cor 3,16), o mesmo Espírito de Jesus (At 16,7), ou o Espírito de Cristo (Rm 8,9), ou, também, o Espírito do seu Filho, que o Pai nos enviou, e que clama em nossos corações: ‘Abbá!’, meu Pai (Gl 4,6).

27. Por que somos batizados no único Nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo?

Através da história da salvação, Deus mesmo se revelou Uno e Trino. Por isso somos batizados em Nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo (Mt 28,19).

Do Catecismo Católico Bíblico, Edições Loyola / SP, R. Paiva, SJ