Abrão vira Abraão
abril 17, 2013
Problemas de Lot
abril 17, 2013

“A vida é duro combate” – também para Abraão!

Padre Paiva, SJ

Nosso poeta, Gonçalves Dias, tem um verso que ficou na memória de muita gente por este Brasil afora: “Não chores, meu filho, não chores, a vida é duro combate…” Não é porque alguém é escolhido por Deus para uma missão especial que sua vida vai ser “maré mansa”!

A memória de Israel recordava como o Patriarca passou “por poucas e boas”. Quando colocaram as histórias das lutas da sua vida no papel, muito tempo depois, ficaram em dúvida qual a versão mais exata. Sabiam que tinha havido um problema no Egito. Alguém poderoso se encantara com Sara (Abimelec? Um Faraó?). Abraão, estrangeiro num país de maravilhas e cheio de poder, a chamava de “irmã”. Ela foi parar no harém da autoridade! (ver Gn 12,10-20 e Gn 20!). Ter uma mulher muito bonita na família tem sido causa de grandes aflições, sobretudo em tempos “sem rei nem lei”.

Mas como teria acontecido o fato mesmo? Eram conhecidas duas narrativas! Em vez de escolher uma delas, ou em vez de misturar as duas e fazer uma terceira, o sábio escriba que redigiu o Livro do Gênesis colocou o mesmo relato duas vezes, com variações. Assim nos ensina a não nos perdermos em pormenores, mas irmos direto ao assunto: como ninguém tem de ficar imaginando que a bênção de Deus é uma proteção mágica contra todo aborrecimento e problema!

Nestes dois relatos, aparece uma dificuldade para muitos leitores: Abraão teria mentido, quando afirmou que Sara era sua “irmã”? Na verdade ele “despistou”, porque as mulheres bem-amadas, noivas ou esposas, também eram chamadas de “irmãs”, como se lê, por exemplo no Cântico dos Cânticos: “Entro em meu jardim, minha irmã, minha noiva (…) Ouço bater o bem amado! Abre-me, minha irmã, minha amiga, minha pombinha toda formosa…” (Ct 5,1-2).

Do mesmo modo Lot, filho de Haram, irmão de Abraão, seu sobrinho, portanto (Gn 11,27-31), é, algumas vezes, chamado de “irmão” do Patriarca. Por exemplo: “E Abrão disse a Lot: ‘Não haja discórdia entre mim e ti, entre meus pastores e os teus, porque somos irmãos’…” (Gn 13,8).

Muito mais tarde, leitores apressados dos Evangelhos, têm ficado perturbados porque há referências a “irmãos e irmãs” de Jesus! Na verdade, sabemos até, pelo próprio texto bíblico que alguns que são nomeados, eram apenas aparentados, talvez primos, mas não eram filhos de Maria. Por exemplo, Joset e Tiago, filhos da “outra Maria” (Mt 13,55 e Mc 15,40). De Tiago também se diz, em outros lugares, que era “Ben Alfeu”, “filho Alfeu” (Mt 10,3 etc.). A palavra “irmão” ou “irmã” podia significar “irmão ou irmã de sangue”, mas também, simplesmente, “irmão ou irmã” da mesma “tribo” ou “clã”. A única pessoa que é apresentada nos Evangelhos e em todo Novo Testamento e em toda a tradição antiga como “filho de Maria” é Nosso Senhor Jesus Cristo!