O mal no mundo, a Salvação – Deus “Pai”? Não “Mãe”?
abril 18, 2013
Indulgências no Ano da Fé
abril 18, 2013

As indulgências do Santo Rosário e do Terço

mariaAssim a Igreja define as indulgências, que, como Mãe amorosa, oferece aos seus filhos e filhas: Indulgência é a remissão, diante de Deus, da pena temporal devida pelos pecados já perdoados quanto à culpa. Evidentemente a pessoa tem de estar bem disposta. Para ganhar a indulgência, normalmente ter tido a graça do arrependimento dos pecados; ter se confessado e comungado; ter cumprido uma obra piedosa recomendada (no caso a oração do Rosário).

As indulgências só “valem” para quem tem seus pecados perdoados! “A indulgência é parcial ou plenária, conforme liberta, em parte ou no todo, da pena temporal devida pelos pecados”. Um pecado pode estar perdoado, mas o prejuízo causado precisa ser reparado, pois ninguém entra nos céus sem pagar até o último centavo devido, como ensina Jesus (ver Lc 12,59). As consequências dos nossos pecados nos merecem penas temporais, se eles não são mortais, e a pena eterna, se nosso pecado for mortal! Sendo o pecado mortal, somente um sincero arrependimento e a confissão – no caso dos que creem – pode nos absolver da culpa e livrar da eterna condenação, pois um pecado tão grave, que seja mortal, rompe nossa ligação de amor com Deus Eterno, com a Eternidade, com o Céu!

As indulgências ajudam o cristão a satisfazer pelos danos causados por seus pecados e aliviar ou livrar das penas temporais: as indulgências parciais aliviam; as totais ou “plenárias”, livram! “Qualquer fiel pode lucrar indulgências parciais ou plenárias para si mesmo ou aplicá-las aos defuntos como sufrágio”

Agora, vamos ao ponto: as indulgências do Santo Rosário ou do Terço:

• “Se a obra, enriquecida com a indulgência plenária, se pode dividir ajustadamente em partes (como o Rosário de Nossa Senhora em dezenas), quem por motivo razoável não terminou a obra por inteiro, pode ganhar a indulgência parcial pela parte que fez”.

• São dignas de especial menção as concessões que se referem a obras, pelas quais o fiel, executando alguma delas, pode ganhar a indulgência plenária em cada dia do ano (…) Só se pode ganhar uma indulgência por dia: (por exemplo) recitação do Rosário de Nossa Senhora na igreja, no oratório ou na família ou na comunidade religiosa ou em piedosa associação”.

Assim, você pode ganhar (“lucrar”) um indulgência parcial se rezar apenas o Terço. Rezando o Rosário, você ganha uma indulgência total (“plenária”), uma vez por dia, se estiver bem disposto (a), como ficou explicado acima.
(O texto foi baseado no “Manual das Indulgências – normas e concessões”, modificado em 15.02.12, tradução da CNBB, Site: http://www.presbiteros.com.br/site/wp-content/uploads/2011/12/Manual-de-Indulg%C3%AAncias.pdf)