Santo Agostinho nos dá dicas sobre como rezar bem – 4
novembro 20, 2014
Santo Agostinho nos dá dicas para rezarmos bem – 5
novembro 30, 2014

Bento XVI escreve sobre o Coração de Jesus – 1 – Isaías e Pio XII

Carta do Papa Bento XVI 
sobre o culto ao Coração de Jesus

Bento XVI
Ao Reverendo Pe. PETER-HANS KOLVENBACH, SJ
Prepósito-Geral da Companhia de Jesus

BentoXVI_Saudando

As palavras do profeta Isaías “Tirareis água com alegria das fontes da salvação” (Is 12,3), que abrem a Encíclica com a qual Pio XII recordava o primeiro centenário da extensão a toda a Igreja da Festa do Sagrado Coração de Jesus, hoje, cinquenta anos depois, nada perderam do seu significado. Ao promover o culto ao Coração de Jesus, a Encíclica Haurietis aquas exortava os crentes a abrirem-se ao mistério de Deus e do seu amor, deixando-se transformar por ele. Após cinquenta anos permanece uma tarefa sempre atual dos cristãos continuar a aprofundar a sua relação com o Coração de Jesus de maneira a reavivar em si mesmos a fé no amor salvífico de Deus, acolhendo-o cada vez melhor na própria vida.

O lado trespassado do Redentor é a fonte à qual nos envia a Encíclica Haurietis aquas (“Bebereis das águas”): devemos haurir desta fonte para alcançar o conhecimento verdadeiro de Jesus Cristo e experimentar mais profundamente o seu amor. Poderíamos assim compreender melhor o que significa conhecer em Jesus Cristo o amor de Deus, experimentá-lo mantendo o olhar fixo n’Ele, até viver completamente do seu amor, para depois o poder testemunhar aos outros. De fato, para retomar uma expressão do meu venerado Predecessor João Paulo II, “próximo do coração de Cristo, o coração humano aprende a conhecer o sentido verdadeiro e único da vida e do próprio destino, a compreender o valor de uma vida autenticamente cristã, a prevenir-se de certas perversões do coração, a unir o amor filial a Deus com o amor ao próximo. Assim é que a verdadeira reparação exigida pelo Coração do Salvador sobre as ruínas acumuladas pelo ódio e pela violência, poderá ser edificada a civilização do Coração de Cristo”1.

continua