Gênesis: o Livro dos Começos
abril 17, 2013
Caim e Abel são muito populares!
abril 17, 2013

Coisas da Bíblia – 2: Gênesis, livro de religião

bebenavitoriaregiaO Autor divino da Bíblia é o Divino Espírito. Assim o diz São Paulo: Toda Escritura inspirada por Deus é útil para ensinar, convencer, corrigir e educar na justiça, para que o homem de Deus seja perfeito, capacitado para qualquer boa obra (2Tm 3,16). O Autor humano do Livro do Gênesis nem sonhava em contar fofocas da família humana. Seu interesse nos relatos do passado era revelar, nos acontecimentos que envolvem a nossa família, o que educasse na justiça e nos capacitasse para as boas obras.

Portanto é inútil e bobo ler o Gênesis procurando coisas como com quem teria casado Caim ou Abel, pois Eva, sua mãe, seria a única mulher da terra! Adão e Eva são representativos do ser humano, como Caim e Abel. São como espelhos, nos quais você e eu podemos olhar para, com a moção interior do Divino Espírito, nos deixarmos instruir, convencer e corrigir.

Aprendendo com estas coisas da Bíblia, lemos que Eva cobiçou e agiu. Foi tentada e caiu. E pôs a culpa na Serpente, símbolo da Tentação. E que Adão pôs a culpa de tudo no próprio Criador: A mulher que me deste por companheira foi quem me deu do fruto da árvore e eu comi (Gn 1,12).

Esta é uma tendência comum na nossa família humana: arranjar desculpas de nossos mal feitos, pôr a culpa em alguém ou em alguma coisa. Mas quem resiste a este doce, diz aquela mesma pessoa que se declarou em dieta. Pobre doce! É comido e é culpado! Pôr a culpa em Deus: Foi ele quem me fez assim, diz o Pau-que-cresce-torto.

O bonito é acolher a Revelação de Deus: diante da culpa de Eva, ele não culpabiliza a mulher. Pelo contrário, ele a exalta. Diz à Serpente: Porei inimizade entre Ti e a Mulher, entre a tua descendência e a descendência dela te esmagará a cabeça e tu lhe ferirás no calcanhar (Gn 3,15). Os pensadores cristãos, meditando esta palavra, a compreendem como um anúncio de salvação. A Mulher não continuará na falsa amizade da Serpente. Ela terá futuro, terá descendência. A descendência dela, Jesus, vencerá o Demônio. Por isso, Nossa Senhora muitas vezes é representada pisando na serpente.

A Serpente, a tentação continua seduzindo a nós, degredados filhos de Eva, como rezamos na Salve Rainha. Só que o mal que pode fazer não nos extermina. O cristão, o homem de Deus capacitado para toda boa obra, é também filho de Maria, a Mulher (). Esta é a garantia de Jesus, nosso Senhor e Redentor: Ide ao mundo inteiro e proclamai o Evangelho a toda criatura. Quem crer e for batizado será salvo. Quem não crer será condenado. Eis os milagres que acompanharão os que crerem: em meu nome expulsarão os demônios, falarão línguas novas, pegarão em serpentes e se beberem algum veneno mortal não sofrerão nenhum mal; imporão as mãos aos enfermos que serão curados (Mc 16,17-18).

Antes que pensemos mal das cobras, animais muito úteis, que mais sofrem do ser humano do que o ser humano delas, leiamos: O Grande Dragão, a Antiga Serpente, chamado Diabo e Satanás, o Sedutor do mundo inteiro, foi derrubado! (Ap 12,9). O jeito tímido das cobras, se escondendo, rastejando, a força da mordida das que são peçonhentas sugeriram a comparação entre o Tentador e a Serpente antiga: para falar das coisas invisíveis da fé, aprendemos a recorrer às coisas visíveis do dia-a-dia. O modo de agir da cobra lembra o modo de agir da tentação na alma humana. O cristão, amando a Deus sobre todas as coisas, caminha neste mundo guardando a fé e combatendo o bom combate. Só lhe resta, como a Paulo Apóstolo, aguardar a coroa indestrutível de glória e justiça (ver 2Tm 4,7-8; 1Pd 5,4).