Coisas da Bíblia: A história de José, parecido com Cristo pelo perdão!
abril 17, 2013
Coisas da Bíblia: O Faraó que não conhecia José
abril 17, 2013

Coisas da Bíblia: a bênção de Jacó, a bênção fiel de Deus

jaco_bencaoPe. Paiva, SJ

José, amigo do Faraó, servidor dos planos de Deus, trouxe a família para umas boas terras de pastagens na região entre o delta do Nilo e o deserto do Sinai. Deve ter sido um choque de alegria e de surpresa para o velho Pai reencontrar o amado filho vestido como um rico e poderoso egípcio, com seus guardas, criados e carro folheado a ouro, puxado por belos cavalos.

Jacó estava fortificado por uma consolação especial. O Senhor lhe tinha dito: “Não tenhas medo de descer ao Egito, pois ali farei de ti uma grande nação”. Deus sendo Pai nosso, ainda disse alguma coisa que foi mais direto ainda ao coração do velho pastor: “Será José quem há de te fechar os olhos” (Gn 46,4).

Podemos nos divertir perguntando como José levou Jacó e os irmãos a Tebas, para apresentá-los a Faraó e como terá sido a nova vida nas boas pastagens do país do rio Nilo. Mas o que tanto interessou a eles podemos deixar facilmente de lado, para ir ao que interessou a eles e a nós também: as bênçãos de Jacó na sua última hora (Gn 49).

Com um pouco de imaginação podemos imaginar os doze em redor dos tapetes e almofadas em que o Patriarca estava estendido, bem cuidado em sua bela tenda. Afinal ele era o paizinho do Provedor do Egito, o rico José. Jacó começou pelo mais velho, filho de Lia, a primeira esposa. Mas Rubem tinha seu pecado: “Subiste ao leito de teu pai e o profanaste!”. Em seguida, os dois outros de Lia: Simeão e Levi foram repreendidos: “Maldita sua ira porque cruel”. E aí, chegando a vez de Judá, o outro filho de Lia, Jacó rompeu num elogio inesperado. Judá foi chamado de “filhote de leão”: “Os teus irmãos se prostrarão diante de ti! O cetro não sairá de Judá, nem o bastão de comando de suas mãos até que venha Aquele a quem pertencem e a Este obedecerão os povos!”.

Nem José recebeu uma bênção assim! Jacó se derramou em palavras carinhosas para o filho mais velho da linda Raquel e chamou seu pacífico irmão mais moço, Benjamim, de “lobo que dilacera”. Jacó acabou dando uma ampla e generosa bênção a todos os doze, mesmo aos que repreendera severamente para que tomassem juízo e vigiassem a consequência de seus atos impensados. Mas a bênção de ser antepassado do Senhor das nações, do Messias (o Ungido), Jesus, ficou com Judá! Quem diria!

Deus Sabedoria, vai escrevendo certo em nossas linhas tortas. Nossos antepassados não foram nem piores nem melhores do que nós. Mas nas bênçãos de Jacó, podemos, nos nossos dias, reconhecer a bênção fiel de Deus, Pai Amoroso, que nos chegou em Jesus, o Filho Amado, na bondade e beleza do Santo Espírito.