Coisas da Bíblia: Jacó, seus filhos, seus problemas
abril 17, 2013
Coisas da Bíblia: a bênção de Jacó, a bênção fiel de Deus
abril 17, 2013

Coisas da Bíblia: A história de José, parecido com Cristo pelo perdão!

Pe. Paiva, SJ

José era o filho mais velho de Raquel, a doce amada de Jacó, pela qual trabalhou 14 anos para enriquecer seu sogro, Labão, que lhe tinha imposto a filha mais velha, Lia, como esposa, antes de lhe dar a mão de Raquel. José cresceu filho preferido, porque a mãe morreu no parto de Benjamim, e Jacó o via como lembrança preciosa de sua querida. Esta predileção foi a desgraça de José, que cresceu petulante, delator dos irmãos, detestado por eles. Todos lembramos como eles, cada vez mais provocados e enciumados, acabaram por vendê-lo como escravo. O dono de José o levou ao Egito e o vendeu a uma casa rica, de Putifar, alto funcionário do Faraó. Prosperando na casa do egípcio, José viu o castelo de cartas de sua “grandeza” ruir, pois sua bela aparência despertou a paixão da patroa. Ele foi leal a seu amo, mas terminou entregue aos campos de trabalho forçado do Faraó (Gn 38 e 39).

Todos conhecemos como ele terminou auxiliar do chefe da prisão, como interpretou os sonhos de dois prisioneiros, servidores pessoais do Faraó, acabou chamado a palácio para interpretar um sonho que agoniava Sua Majestade, e tornou-se o ministro, o provedor do Egito (Gn 40 e 41).

Tudo muito bonito! Linda história do pobre que sofre, aprende a ser humilde e sábio, e termina “coberto de ouro”. Mas o que faz José parecido com Cristo foi um momento de sua vida de grande fidalgo da corte! Informado de que seus irmãos vinham buscar trigo no Egito, quando havia grande fome naquelas regiões, ele não se deu a conhecer, mas os provou, até ter certeza de que o pai vivia e de que eles estavam mudados. Então se deu a conhecer, magnífico no perdão! Entre lágrimas se revelou, dizendo-lhes: “Eu sou José, vosso irmão, que vendeste para o Egito! Mas não fiqueis aflitos (…), pois foi para preservar vossas vidas que o Senhor me mandou para cá adiante de vós, para garantir-vos um resto na terra e vos guardar a vida para um grande Êxodo” (Gn 45, 4-7).