Coisas da Bíblia: Moisés tem de entrar em conflito
abril 17, 2013
Coisas da Bíblia: A morte dos primogênitos
abril 17, 2013

Coisas da Bíblia: As pragas

R. Paiva, SJ

moises_aarao_faraoAs pragas (Ex 7,14-12,30)

O Livro do Êxodo é composto de memórias históricas, segundo a narrativa oral que os conservou; textos jurídicos, litúrgicos e mesmo poéticos! Seu redator empregou materiais diferentes, trazidos por uma fiel tradição que, para se conservar, recorria a esquemas. Há peritos que pensam que este redator reuniu relatos e até documentos de três fontes diversas: em uma delas as pragas seriam apenas cinco; em outra, sete; na que predominou, dez. As dez pragas são: o Nilo, o grande rio, pai do Egito, que livrava aquele país de ser um prolongamento do grande deserto do Saara, se tornou vermelho sangue; a infestação de rãs e moscas; a peste dos animais; tempestade de granizo; gafanhotos; escuridão e, finalmente, o terrível golpe da morte dos filhos mais velhos dos egípcios.

Há quem nos recorde que estas pragas correspondem a fenômenos naturais, verificados no vale do Nilo. Sempre fica sem explicar a última e decisiva praga, que dobrou a vontade do Faraó anônimo do Êxodo: a morte dos primogênitos e só eles. Na verdade estas nos lembram que sem um período de excepcionais sofrimentos do império egípcio, não seria fácil conseguir levar uma certa quantidade de mão de obra barata para fora das fronteiras.

Imaginemos um período prolongado de seca nas montanhas da Etiópia: as águas do Nilo baixam perigosamente, as águas vermelhas de algas dos pântanos em seu curso pelo Sudão, as tornavam venenosas para peixes. Assim estão explicadas as moscas, rãs pulando para aldeias e cidades, doenças para o povo mal alimentado, tudo piorado por granizo e pelo terrível simum, escurecendo o céu com as areias dos desertos. Abalado o poder do faraó, Moisés obteve, enfim, a licença de partir!

Mesmo assim, continua difícil explicar a morte dos primogênitos e o conjunto todo sem aderir ao que o livro do Êxodo e a fé de Israel sempre afirmou: o braço de Deus se estendeu poderoso e abriu caminho para a liberdade do seu Povo Eleito. Não podemos entender Israel sem o Êxodo e o Êxodo sem a intervenção do Senhor Deus.