Coisas da Bíblia: a bênção de Jacó, a bênção fiel de Deus
abril 17, 2013
Coisas da Bíblia: As Mães Hebreias
abril 17, 2013

Coisas da Bíblia: O Faraó que não conhecia José

farao_perseguidorPe. Paiva, SJ

A terra foi girando, os anos passando e o clã de Jacó Israel foi ficando numeroso. E chegou a vez de um novo faraó usar a coroa de duas cores dos reis do velho Egito: “Entretanto, no Egito, surgiu um novo rei, que não tinha conhecido José” (Ex 1,8). Muito comum! Quem de nós se lembra dos amigos de nosso avô ou bisavô? Até grandes benfeitores da humanidade ou vultos nacionais vão sendo esquecidos!

Novo governo, novas linhas de ação! Há quem defenda que o Faraó terá sido o grande Ramsés II. Mas foi na época da 19ª dinastia, que o governo egípcio deixou Tebas e criou a nova capital, a Cidade de Ramsés ou Tânis, no Delta do Nilo. Pareceu bem ao Faraó colocar os “hóspedes” hebreus para fazer os tijolos de suas construções. Afinal os seus antepassados sempre usaram os súditos egípcios na edificação das célebres pirâmides, durante o período em que a cheia do Nilo impedia o trabalho agrícola. Ora, o país de Goshem, junto ao Delta, era território do Faraó, emprestado aos pastores de Jacó Israel. Nada mais normal que pagassem “aluguel”: “Nomearam, pois, contra eles, inspetores do trabalho forçado, com a missão de os oprimirem com obras penosas. Assim é que os israelitas construíram para Faraó as cidades – entrepostos de Pitom e Ramsés” (Ex 1,11).

O que era normal do ponto de vista do governo egípcio, foi ressentido como opressor pelos israelitas, acostumados ao pastoreio. Contudo, as boas paneladas de carnes e cebolas (eles iriam ter saudade das cebolas do Egito!) os alimentavam e eles iam se multiplicando: “Quanto mais os oprimiam, tanto mais se multiplicavam e cresciam, de modo que os egípcios ficaram alarmados” (Ex 1,12). Este alarme e outras razões que desconhecemos, mas talvez relacionadas com uma crise econômica ou enfraquecimento do reino devido a guerras mal resolvidas no exterior, provocaram perseguição: primeiro mais trabalho em piores condições; depois, o genocídio, com a ordem de matar os meninos recém nascidos (Ex 1,13-22). Mas se Faraó tinha seus planos, o Senhor Deus, que se ri dos reis desta terra (Sl 2) tinha outros bem diferentes!