São Turíbio: um santo bispo nos tempos coloniais
março 15, 2016
As necessidades em que vivemos são outras tantas preces!
março 15, 2016

Conversão e o Sacramento da Paz e Reconciliação

164. Quem pode converter o coração humano?

Só o Senhor pode tornar “de carne” um coração “de pedra” (Ex 11,10). Só ele, que conhece “os segredos do coração” (Sl 24/23,4) pode criar no ser humano pecador “um coração puro” (Sl 51/50,10) e curar os de coração ferido, machucado, “quebrantado”: Aos corações partidos ele cura, vai suas feridas medicando (Sl 146,3).

165. De que consta o sacramento da reconciliação?

Ele é constituído de atos do penitente e de atos do sacerdote. Os atos do penitente são:
• reconhecer interiormente, com graça de Deus, sua situação de pecador e desejo de recomeçar o caminho do Evangelho, isto é, o arrependimento, dom do Espírito Santo;
• confissão e manifestação do mal praticado ao confessor, segundo aquela palavra: Se dissermos que não temos pecado nós nos enganamos a nós mesmos. Se confessarmos os nossos pecados ele (o Cristo Jesus), que é fiel e justo, perdoará os nossos pecados e os purificará de toda a injustiça. Se dissermos que não pecamos, fazemos dele um mentiroso e a sua palavra não está em nós (1Jo 1,8-10). A confissão dos pecados deve ser honesta e completa, acusando cada pecado mortal;
• o propósito de emenda com a resolução de cumprir obras de reparação do dano cometido pelo pecado, a chamada “penitência”. Esta reparação ou penitência está conforme a palavra do Senhor: é preciso que produzamos dignos frutos de penitência (Lc 2,38).

Por sua vez, o Padre deve ouvir o penitente com humildade, respeito e delicadeza; aconselhá-lo, e se ele estiver com disposição de emendar-se, conceder a absolvição, isto é, o perdão sacramental. Finalmente, impor a penitência, que deve ser um ato de reparação do dano causado pelo pecado, uma oração ou leitura da Bíblia, ou outras boas obras

166. O que é o segredo da confissão?

O confessor deve guardar segredo absoluto de tudo o que for dito na confissão. Nem mesmo pode usar o conhecimento obtido na confissão. Este é o chamado “sigilo sacramental”: o que foi dito permanece “selado” (“sigilado”) pelo sacramento.