Dois lançamentos! Novíssima edição da TEB e Cófdigo do Direito Canônico, com novos…
fevereiro 6, 2015
Nossa Senhora de Lurdes 11 de fevereiro
fevereiro 10, 2015

Deuteronômio: do Monte Horeb até a beira do Jordão (Dt 1 a 3)

Foz do Jordão: Mar Morto Abaixo de Jericó

Em geral, no Livro do Deuteronômio, o Monte Sinai é chamado de “Horeb”, exceto numa passagem (ver Dt 33,2 e Eclo 48,7). É nele que começa a saga do Deuteronômio. Mas o Livro abre mostrando Moisés no fim da viagem e da estadia no deserto: “40” anos, a vida de uma geração, nos tempos bíblicos.

Podemos imaginar Moisés, já um venerável ancião diante do seu povo, pequena multidão de pastores, nas beiradas montanhosas do vale do Jordão, bem à vista da Terra Prometida, onde estavam sepultados Abraão e Sara. Ele recorda a todo Israel a promessa e a aliança do Sinai. A narrativa dá a impressão de que tudo o que está escrito em Deuteronômio foi proferido num único longo dia. Na verdade, ao conteúdo inicial, bem mais breve, comentários e exortações, explicações e atualizações foram acrescentados.

Nos primeiros versículos já encontramos uma recapitulação das etapas do percurso entre o Sinai-Horeb, nomes exóticos para nós, e, muito provavelmente, para os israelitas do tempo do rei Josias: Suf, Faran, Tobel, Laban… Parece que os “onze dias” de marcha entre o Horeb e Suf, sem longas estadias, batalhas e desvios correspondem à realidade.

Há uma data: “o quadragésimo ano, no undécimo mês, no primeiro dia da semana”. O undécimo mês é o de Sebat, mês que corresponde a um período entre janeiro e fevereiro. Moisés começa a falar, recordando a ordem do Senhor de não continuassem apegados ao monte da Revelação, mas que partissem rumo ao futuro e à realização da promessa: “Eis que vos entrego – diz o Senhor – este país (…) que o Senhor jurou dar a vossos pais, a Abraão, Isaac e Jacó, a eles e à descendência deles” (ver Dt 1,6-8).

Não se trata de uma viagem comum: na verdade a lição de vida que nos traz esta evocação é que temos de caminhar, de enfrentar trabalhos e lutas no caminho da promessa! E, nesta caminhada, temos um roteiro: a Lei, a formosa Vontade de Deus que nos é revelada e nos faz um povo!