São Brás, Bispo e Mártir – 3 de fevereiro
Fevereiro 1, 2018
“Eu sou o Caminho”, disse Jesus
Fevereiro 13, 2018

Dois milagres: em Lurdes e em Ribeirão Preto – este por intercessão de Madre Clélia

Novo Milagre reconhecido em Lurdes: o 70º.

A cura milagrosa da Irmã Bernadette Moriau foi atestada pelo Conselho Médico do Santuário de Lurdes

 

LA STAMPA / ITÁLIA
11/02/2018
VATICAN INSIDER
ANDREA TORNIELLI
ROMA

No domingo, 11 de fevereiro de 2018, o Bispo de Beauvais, Dom Jacques Benoit – Gonin reconheceu oficialmente o 70º milagre aprovado em Lurdes em favor de uma religiosa, que tem hoje 79 anos, Irmã Bernadette Moriau, que sofria, desde os anos 60 a chamada “síndrome do rabo de cavalo”, causada por um florescimento da porção mais macia do disco, que provoca uma pressão contra as raízes nervosas da coluna lombar. Assim, desde1987, ficou impossibilitada de caminhar.

O milagre aconteceu em 11 de julho de 2008, mas foi anunciado dez anos depois, neste 11 de fevereiro de 2018, no 160º aniversário das aparições da Imaculada a Santa Bernardette. Irmã Moriau é religiosa das Franciscanas Oblatas do Sagrado Coração de Jesus. Assim ela narrou o acontecido num vídeo difundido pela diocese de Beauvais:

Em fevereiro de 2008, meu médico me convidou a participar da peregrinação diocesana a Lurdes, programada para os dias de 3 a 7 de julho (…). Na gruta percebi a presença misteriosa de Maria e da pequena Bernadette. Não pedi a cura, mas a conversão do coração e ânimo para prosseguir no meu caminho de doente.

De regresso à comunidade em Besles, perto de Beauvais, aconteceu a cura:

No dia 11 de julho, durante nosso tempo diário de adoração em comunhão com Lurdes, revivi no coração o momento forte da bênçaõ do Santíssimo Sacramento aos doentes, e percebi vredadeiramente a presença de Jesus. No final da adoração, experimentei no corpo uma sensação de calor. Senti-me bem.

O Bispo, Dom Jacques, no comunicado à Diocese, acrescentou:

No dia 11 de julho, pela tarde, a Irmã Bernadette Moriau passou certo tempo em adoração, em comunhão com Lurdes, e recordando a peregrinação que apenas acabara de fazer. Voltando a seu quarto, ela se sentiu chamada a se desfazer de suas próteses: o colete, os apoios e desligou o neuro-estimulador. Imediatamente se pôs a caminhar, livremente. Chamou suas irmãs para testemunhar a mudança.

O médico, que acompanhava a religiosa, preparou uma ata do acontecido, que foi apresentada ao Conselho Médico Internacional de Lurdes. O caso foi examinado no curso da reunião anual do comitê médico nos dias 18 e 19 de novembro de 2016. O veredito foi aprovado por todos, exceto um, concluindo que a cura da Irmã Moriau “permanece inexplicável no estado atual de nossos conhecimentos científicos”.

O milagre que levará Madre Clélia Merloni à beatificação

Trata-se de um milagre ocorrido em Ribeirão Preto, no Estado de São Paulo, em 20 de março de 1951, em favor de um médico afetado pela Síndrome de Landry

Jackson Erpen – Cidade do Vaticano

Na última sexta-feira, o Papa Francisco recebeu em audiência o Prefeito da Congregação das Causas dos Santos, Cardeal Angelo Amato, ao qual autorizou a promulgação de alguns decretos, o que incluía o reconhecimento de um milagre atribuído à intercessão da Madre Clélia Merloni, fundadora do Instituto das Apóstolas do Sagrado Coração de Jesus.

Com o reconhecimento, Madre Clélia poderá ser declarada Beata em Consistório ordinário público. O anúncio foi recebido com festa pela Congregação, que tem forte presença no Brasil.

O Vatican News quis saber da Conselheira do Instituto das Apóstolas do Sagrado Coração de Jesus, Irmã Maria de Lourdes Castanha (atualmente residindo em Roma) como foi recebida a notícia:

 

Com muita alegria, muita festa, muita oração, ação de graças. Até agora nosso coração está repleto de gioia (alegria) por esta notícia tão esperada por nós.

 

O milagre

É um milagre que aconteceu em Ribeirão Preto, no Estado de São Paulo, no Brasil, em 20 de março de 1951. Em favor de um médico, que foi atingido por aquela doença – Síndrome de Landry – que vai paralisando todos os músculos, a começar pelos pés e vai até a garganta, e quando a pessoa não pode mais respirar, engolir… mata a pessoa enfim.. não tem nada que se possa fazer.

E naquela época no Brasil não tinha todos os recursos para esse tratamento. E o médico estava morrendo. Tanto que no dia 20, um médico de plantão disse para a família: é a última noite do paciente, porque ele não conseguia mais engolir nada.

E aí a família ficou desesperada. Tanto que a esposa dele pediu para a Irmã que estava lá de plantão, a Irmã Adelinda Alvez Barbosa, que fizesse alguma coisa e ela deu uma oração para ela de Madre Clélia, uma novena, e a Irmã e toda a família, a esposa Dona Angelina, fizeram esta novena.

E nesta novena também tinha uma relíquia de Madre Clélia…alguns fiozinhos do hábito que ela usava, e aí essa irmã conseguiu colocar um fio desta relíquia, deste tecido, em um pouquinho de água e colocou na boca, e ele com muito esforço conseguiu engolir. E assim que ele engoliu esta relíquia, ele já não deixava mais sair a saliva pela boca, aí viram que ele conseguia já engolir alguma coisa, daí a irmã deu uma colherinha de água e ele engoliu, depois deu um pouquinho mais de água e ele engoliu também … tanto que foi preparar na cozinha… e deu leite antes pra ele, e depois foi preparar um mingauzinho pra ele e ele conseguiu comer.

Tanto que o médico, quando chegou de manhã – isto tudo foi à noite – chegou de manhã e viu o paciente ali bem e falou: é um milagre! … a medicação em si não faria aquilo, que já não havia feito em tantos dias. Ele se internou no dia 14, e isto aconteceu no dia 20.

Este foi então o milagre que ele depois se recuperou. Dentro de 20 dias ele já caminhava, tudo normal, não ficou com nenhuma sequela, e veio a falecer em 25 de setembro de 1986, de uma parada cardíaca. Nenhuma relação com a doença que ele havia tido anteriormente. Este foi então o belo milagre, por ser um médico também já é quase um milagre, que um médico receba
uma milagre, mas isto foi realmente o que aconteceu”.

 

Os próximos passos para a beatificação

O Papa então já assinou este decreto, agora deve se conversar com o Cardeal prefeito [da Congregação das Causas dos Santos]. Penso que é assim, porque a nossa Madre Geral, que deve fazer isto e ela está no Brasil. Está retornando e chega dia 31, combinar com o cardeal para ver a agenda dela, mas me parece que tem um período de 6-8 meses que a Congregação deve preparar-se.

Nós já estamos fazendo isto desde setembro do ano passado, envolvendo todas as irmãs, todos os leigos, numa catequese de dez temas relacionados com à nossa fundadora, de todas as pessoas – que são mais de quatro mil leigos que já vivem a nossa espiritualidade – junto com eles e as irmãs a gente já está então mensalmente tendo esta catequese, para preparar este momento. Mas acredito que tem um tempo que a Igreja – não é assim imediato – a gente pensa que será depois da metade do ano. Eu não posso precisar nenhuma data pois não conversamos sobre isto ainda. Mas será este ano com certeza, será em 2018.

 

Irmã Clélia, poderosa intercessora

Eu só gostaria de dizer que a Madre Clélia realmente é uma pessoa que está muito junto do Coração de Jesus e que ela intercede… A gente tem conhecimento de muitas graças, no sentido de mães que não podem ter filhos e pedem a ela e logo ficam grávidas, pessoas doentes que ficam curadas, pessoas que têm dificuldades em emprego. Enfim, nossa Madre é poderosa e se pedir ela ajuda. Realmente que as pessoas nos ajudem também a rezar, agradecer a Deus por este dom que a Igreja também recebe na pessoa dele e nós todas, por esta beatificação e pelo bem que ela poderá fazer na Igreja agora sendo mais conhecida.