Nossa Senhora aparece em Ruanda: reconhecimento da Igreja!
abril 26, 2015
Olhe!
abril 28, 2015

Efeito da Ressurreição – Novos estilos da Evangelização – O lava-pés

Anthony J. Kelly, “O efeito da Ressurreição – Transformação da vida e do pensamento cristãos”, Loyola / SP 2015, 23×16, 237 pp.

O Autor é padre redentorista, professor de teologia da Australian Catholic University, membro da Comissão Teologia Internacional da Igreja Católica. Não é uma obra fácil, como se percebe, pro exemplo, lendo a página 52: “A singularidade da ressurreição [de Cristo] estorva algumas noções filosóficas e teológicas estabelecidas. Veja, como um primeiro exemplo, a noção do que é ‘físico’. Em seu entendimento mais antigo, a tarefa da filosofia era descrita como “metafísica’ (…) transcendendo os dados físicos da experiência no domínio do ser e do significado supremo, A tendência resultante é dissolver o ‘physica’ e o experimental, juntamente com os fenômenos específicos da fé cristã, em generalizações abstratas…”. Enfim, uma obra de teólogo professional para teólogos professionais, de preferência fortes em filosofia.

Enzo Bianchi, “Novos estilos de Evangelização”, Loyola / SP 2015, 19×12, 76 pp.

O Autor tem trabalhado intensamente também na grande imprensa italiana. Neste ensaio, ele tenta compreender e motivar os cristãos, em particular os católicos, para a nova evangelização, num mundo em que o cristianismo pode parecer ter perdido a significação. Certamente é um trabalho muito marcado por europeísmo, mas pode ser de grande valia para quem se sente chamado a refletir sobre os rumos dos discípulos-missionários. Vale para pastores, educadores da fé e para os que colocam a atualidade da evangelização.

François Nault, “O lava-pés – Um não Sacramento”, Loyola / SP 2015, 21×14, 110 pp.

O Autor é docente na Universidade Laval, Quebec, Canadá, e se debruça sobre um tema que pode interessar a nossos pastores e educadores da fé em geral (formadores do clero, religiosos e laicato, catequistas) dada a importância afetiva que a cerimônia tem para nosso povo. Ficamos sabendo que personalidades do tope de um São Bernardo, aceitavam seu caráter sacramental… Somos informados não só dos debates sobre esta tese, mas também da história do rito e de sua aceitação, maior ou menor, nos nossos dias. A obra pode interessar igualmente aos estudiosos e amantes da liturgia católica.