Um abraço do Papa: reaberto o diálogo entre o Islã e o Ocidente!
Maio 23, 2016
O encantador Livro de Rute, uma estrangeira antepassada do Messias
Maio 25, 2016

Fillion 3 – Condições sociais

Menorá_ candelabro de 7 braços - símbolo do judaísmo

3º segmento

As condições sociais

A vida em família

A família era constituída pelo matrimônio. A celebração era acompanhada pro cerimônias e ambiente festivo, assinalado pelos Evangelhos de modo muito expressivo (Mt 20,1-11; 25,1-13). São ritos que, ainda hoje se observam pela população atual da Palestina, quer judia, quer, cristã e mesmo muçulmana. Cabia ao “amigo do esposo” (Jo 3,9), que corresponde a nosso padrinho de casamento, organizar a festa. A parte mais interessante consistia num cortejo festivo, ao anoitecer, com tochas e luzes, para conduzir a desposada à casa do marido.

O divórcio era autorizado pela lei mosaica, e se cometiam grandes abusos, que Jesus, um dia, deplorou, suprimindo , para sempre, esta licença concedida em vista da “obstinação do coração”.
Os Evangelhos falam, às vezes, das crianças. Há um aspecto que merece ser mencionado nesta introdução: s crianças costumavam sair imitando, em suas brincadeiras, as cerimônias tristes ou alegres que haviam assistido, funerais ou casamentos (Mt 11,11-17; Lc 7,31-32). Este dom de imitação é comum na infância. Sabemos, pelos escritos dos rabinos judeus que havia, nesta época, numerosas escolas por toda a Palestina, e os pais faziam questão de ali enviar seus filhos. Recordemos que ter filhos era ao que mais desejavam os pais, e a esterilidade era tida como afronta e humilhação.

Os Evangelhos mencionam vários tipos de doenças que afligiam, por aquele tempo, a Palestina. A referência a milagres de cura feitos por Jesus Cristo sublinha, com eloqüência, esta dura realidade, manifestando a nossos olhos tantas enfermidades corporais. Ainda hoje, naquelas terras, não faltam misérias a lamentar, como a dezenove séculos atrás (n.t.: o Autor viveu entre o século 19 e o 20!). Ali, como na Síria e em todo o Oriente bíblico (…) Pelo que diz a literatura rabínica das práticas médicas de então, os médicos mereciam mais o nome de curandeiros. A reflexão que faz São Marcos (Mc 5,21-26) se justifica muito: “A mulher havia sofrido muito, durante doze anos, em mãos dos médicos, e depois de gastar tudo o que tinha, não experimentou nenhum alívio, mas se achava muito pior.”

Final da seleção de textos de Fillion