Historiografia brasileira, Filosofia nas fronteiras da pedagogia e da política; Devocionário de Santo Inácio
agosto 1, 2016
O Papa fala sobre as paróquias lá em Cracóvia!
agosto 4, 2016

Leitura Orante: Sobre o amor a Jesus Cristo (Santo Afonso Maria de Ligório)

Sobre o amor a Jesus Cristo *

Santo Afonso Maria de Ligório (século XVII)
Fundador dos Redentoristas

Toda santidade e perfeição consistem no amor a Jesus Cristo, nosso Deus, nosso Sumo Bem e nosso Redentor. É a caridade que une e conserva todas as virtudes, que tornam o ser humano perfeito. Será que Deus não merece todo o nosso amor? Ele nos amou desde toda eternidade: “Lembra-te, ó homem – assim nos fala – que fui Eu o primeiro a te amar. Tu ainda não estavas no mundo, o mundo nem mesmo existia, e Eu já te amava. Desde que sou Deus, Eu te amo!

Sim, Tu me amaste primeiro, tu és nosso Pastor Eterno! Mas dá-nos sentir Teu amor, de tal modo que não duvidemos e não possamos duvidar! Move nossos corações com Tua consolação!

Deus, sabendo que o ser humano se deixa cativar com os benefícios, quis atraí-lo ao Seu amor por meio de Seus dons. Eis porque disse: “Quero atrair as pessoas ao meu amor pelos mesmos laços com que elas se deixam prender, isto é, com os laços do amor”. Estes, precisamente, têm sido todos os dons feitos por Deus ao ser humano. Deu-lhe alma dotada, à Sua imagem, de memória, inteligência e vontade. Deu-lhe corpo provido de sentidos. Para ele criou o céu e aterra com toda a multidão de seres. Por amor ao ser humano tudo isso criou, para que todas as criaturas servissem ao ser humano e o ser humano, agradecido por tantos benefícios, O amasse.

Mas, Bom Jesus, não acabamos de te reconhecer e reconhecer o Pai! Não acabamos de ser gratos! Dá-nos corações capazes de gratidão! Dá-nos sentir prazer em Te louvar, em cantar os Salmos, em estar contigo na oração fiel!

Mas Deus não se contentou em nos dar tão belas criaturas. Para conquistar todo nosso amor, foi ao ponto de dar-Se a Si mesmo totalmente a nós. O Pai Eterno chegou ao extremo de nos dar Seu único Filho. Vendo-nos todos mortos pelo pecado e privados de Sua Graça, que fez Ele? Movido pelo imenso, ou melhor – como diz o Apóstolo – pelo Seu demasiado amor, Ele enviou Seu amado Filho, para nos justificar e nos restituir a vida, que havíamos perdido pelo pecado. Ao nos dar o Filho, a quem não poupou para nos poupar, deu-nos com Ele todos os bens: a graça, a caridade, o paraíso. E, porque todos estes bens são menores do que o Filho, Deus, que não poupou Seu próprio Filho, mas O entregou por todos nós, como não nos daria tudo junto com Ele?

Bom Jesus, que Te direi, senão vivifica-nos, santifica-nos, justifica-nos! Jesus, manso e humilde de Coração, faze nossos corações humanos semelhantes ao Teu!

* Leitura da festa no Ofício das Horas, 1º de agosto.