Deuteronômio: do Monte Horeb até a beira do Jordão (Dt 1 a 3)
fevereiro 9, 2015
Quem poderá descrever o laço de caridade de Deus?
fevereiro 10, 2015

Nossa Senhora de Lurdes 11 de fevereiro

NSLurdes&StaBern

Lurdes, hoje, é uma cidade. No tempo em que Bernardette Soubirous era jovenzinha, não passava de um povoado grande. Os Soubirous eram pobres. Naquela localidade, nas encostas dos Montes Pirineus, sudoeste da França, nas margens do rio Gave, o tempo estava frio e úmido. Os pobres, para cozinhar e se aquecerem, mandavam as crianças catar gravetos e galhos nas matas junto ao rio. Não havia dinheiro para comprar lenha.

Assim foi naquele dia 11 de fevereiro de 1858, tempo de inverno, bastante duro para Bernardette, uma irmã menor e uma amiguinha, mal agasalhadas. Pior para Bernardette, que sofria de asma! E tinham de cruzar, tirando os calçados, um riacho raso. Bernardette, um tanto sem fôlego, parou um pouco para retomar a respiração, enquanto as duas companheirinhas se adiantavam.

Nisto, ela levantou os olhos, ouvindo como que o sopro de vento nas ramagens, e viu, com grande espanto, uma “senhora” muito linda, sorridente. Bernardette contou o que tinha visto às outras duas meninas. Os seus pais não quiseram saber de “estórias”, e proibiram que voltasse àquele lugar. Cederam, contudo, diante de suas lágrimas. No dia 18, lá se foram as meninas e outras 20 pessoas. De fato, é difícil manter segredos numa pequena comunidade! E a Senhora lá estava, sorrindo, quando Bernardette, conforme lhe instruíram, borrifou a rocha com água benta.

O resto da história é bem conhecido: hoje, diante de belas basílicas, reúnem-se multidões. Papas, como São João Paulo II ali foram como peregrinos. As águas da piscina, que jorraram da escavação feita por Bernardette com suas pequenas mãos, são, com mil motivos, tidas por milagrosas. E os melhores milagres não são as curas dos corpos, mas a conversão dos corações. A Senhora, com rosas de ouro nos pés nus, quis confirmar a doutrina da Igreja, proclamada pelo Bem-aventurado Papa Pio IX: “Eu sou a Imaculada Conceição”. Podemos rezar com Santa Bernardette e todo o povo católico: “Ó Maria, concebida sem pecado original, rogai por nós, que recorremos a vós!”