Palavras do Papa para meditar
agosto 5, 2013
Por que o papa Francisco fascina tanto os jovens? por Juan Arias de “El País”
agosto 8, 2013

Novidades (incluindo “Pronunciamentos do Pp Francisco no Brasil” e mais um livro de Ratzinger!)

Papa Francisco, “Pronunciamentos do Papa Francisco no Brasil”, Paulus & Loyola / SP 2013, 21×14, 103 pp.

A coletânea completa de todos os pronunciamentos e homilias, incluindo a famosa entrevista coletiva aos jornalistas no voo de regresso a Roma. Admira-se a capacidade do Papa de dizer oque quer em poucas palavras, sempre com afabilidade, respeito aos interlocutores ou ouvintes, mas sem fugir das definições, mesmo “impopulares”, porque vão contra “o pensamento único”, que tenta impor-se no mundo ocidental, com sua carga de ateísmo e laicismo. O Papa foi ouvido e visto graças ao bom trabalho da mídia. Agora é possível lermos o que ouvimos e meditar sobre sua palavra, verdadeiramente católica, dirigida a todas as pessoas de boa vontade.

Joseph Ratzinger (Bento XVI), “Introdução ao Espírito da Liturgia”, Loyola / SP 2013, 21×14, 190 pp.

Cpa Introducao ao espirito.indd

O então Cardeal Ratzinger (1999), inspirando-se na obra clássica de Romano Guardini, “O espírito da liturgia” (1918), e percebendo a insegurança diante das reformas do Concílio Vaticano II, decidiu retomar o tema (ver Premissa, pp 7-8). Pena que esta obra só agora tenha sido publicada no Brasil, porque teria nos livrado de várias experiências, que tornaram o campo da liturgia um campo minado por coreografias, exteriorizações não da Revelação, mas dos talentos pessoais de algumas pessoas e do gosto (às vezes altamente duvidoso) de outras. Embora obra de um intelectual, cuidadoso com suas referências (a obra tem duas bibliografias, uma geral e uma particular), na verdade é trabalho de um pastor, querendo ajudar a todo católico desejoso de entrar na verdade da liturgia, lugar privilegiado de revelação e educação da Fé. Ela se divide em 4 partes: “Sobre a essência da Liturgia”; “Tempo e lugar na Liturgia”; “Arte e Liturgia”; “Forma litúrgica”. Esta 4ª parte tem dois temas principais: “O rito” e “O corpo e a liturgia”. Na parte 3ª, destaca-se o capítulo sobre a música na liturgia, com um significativo mergulho nas raízes bíblicas do canto como expressão da melhor experiência humana de Deus. Livro recomendável também para melhor formação dos agentes de pastoral litúrgica em nível paroquial, escapando do rubricismo e do ritualismo.

Fernando Nascimento & Walter Salles (orgs. e traduts.), “Paul Ricoeur, Ética, Identidade e Reconhecimento”, PUC-RIO e Loyola / SP 2013, 21×14, 173 pp.

Liv_PaulRic_eticIDrec

Esta edição apresenta textos produzidos para o Congresso Latino-americano sobre a obra de Paul Ricoeur, em novembro de 2011 na PUC-RIO. As comunicações deste congresso, organizado por uma das mais prestigiosas Universidades brasileiras, bem que mereceram ser colocadas à disposição do público interessado no pensamento do filósofo francês.

Chistfred Böttrich, Beate Ego e Friedmann Eissler, “Moisés: no judaísmo, no cristianismo e no islamismo”, Loyola / SP 2013, 21×14, 169 pp.

Liv_MoisesNoJudCristIsl

Os Autores são especialistas, docentes em universidades alemãs, e cada qual trabalha sobre o grande personagem da história das religiões, Moisés, estudando sua relevância nas respectivas tradições judaica, cristã e islâmica, na perspectiva de iluminar pistas para o diálogo inter-religioso. Neste sentido, nada melhor do que abri o grande público leitor para o conhecimento dos outros, afastando preconceitos e diminuindo distâncias inúteis.

Cristina Jorge Dias, “Jogos pedagógicos e histórias da vida – promovendo a resiliência”, Loyola / SP, 2013, 23×16, 204 pp.

Liv_JogsPedagsHistsVida

A Autora tem se dedicado a cursos e oficinas pedagógicas. Já publicou “Jogos e vivências” (Epressão e Arte). Sendo especialista também em psicodrama, seu trabalho não paira nas nuvens da teoria, mas apresenta ajuda concreta, bem embasada, ao dia a dia da escola. E se não temos ideia do que seja “resiliência”, não nos assustemos: a história de Prisciliana, “negra, forte e bonita”, de cerca de 90 anos, narrada no belo prefácio do Prof. Celso Antunes nos dará a intuir.