CRISTO “Mais conhecer para mais amar e servir” – Introdução – 1
setembro 18, 2013
Palavras do Papa: “Sigam em frente! Façam barulho!”
setembro 22, 2013

Novidades Loyola 18.09.12: “História do pensamento judaico-helenístico”

História do Pensamento Judaico-Helenístico – com uma contribuição de Romano Penna sobre ‘A literatura canônica do movimento cristão'”. Loyola / SP 2013, 23×16, 236 pp.

A Autora é especialista em filosofia da antiguidade tardia, e tem se debruçado sobre o pensamento judaico-helenístico de III aC a I dC. Assim, esta sua obra de excelente divulgação interessará não só a estudantes e professores de filosofia, mas também a todos os que têm curiosidade ou necessidade de conhecer mais o ambiente em que surgiu o cristianismo. Como é boa escritora, sabe envolver o leitor, sem perder a acuidade científica. Não se pode “pular” a Introdução, sob pena de perder “O âmbito de referência” e um útil parágrafo para recordar os traços principais do período histórico, quando o pensamento judaico e o helenístico se encontraram, em particular na grande Alexandria do Egito. O capítulo 1º discute a célebre tradução bíblica dos XLXX, começando com a “Carta a Aristéia” e concluindo com “Sabedoria e virtude”. O capítulo 2º, “Exegese e Comentário”, trata de “O estudo do texto”, as pistas abertas por “Aristóbolo”, preceptor judeu de um príncipe Ptolomeu, desejoso de que certas passagens bíblicas não parecessem rudes, se tomadas apenas no sentido literal, e um instrutivo parágrafo sobre “O sétimo dia”. Só então entramos na rica obra de Fílon, muito citado, mas pouco conhecido. Os parágrafos 13 e 14 são especialmente saborosos: “Fílon e os Padres da Igreja” e “Fílon na tradição hebraica”. Certamente o capítulo 4º chamará atenção: “Os essênios e Qumran”. O capítulo 5º estuda “A literatura sapiencial”, onde, como sabemos, há uma interação muito profícua, mais implícita do que explícita, do pensamento judaico e do helenístico. O desencontro cabe ao capítulo 6º: “Os livros dos Macabeus” (§ 4.1: “A Razão e a Lei”). Seguem-se: 7º “Identidade, Conversão e Observância” (o romance “José e Asenat”), literatura já com um gênero literário de origem grega e que discute explicitamente as pontes e barreiras do mundo pagão – de cor egípcia – e o mundo do Povo Eleito); 8º “Componentes apocalípticos” (Daniel, etc.); “Jesus e Paulo”; “Historiografia e reescritura da Bíblia” (Flávio Josefo). A obra traz também: “Índice dos nomes antigos e das obras anônimas”; “Índice dos Autores modernos”; Índice dos lugares”. A Bibliografia é colocada no fim de cada capítulo. Este livro pode ser aproveitado não só por estudiosos de assuntos bíblicos ou da história do pensamento humano ou de filosofia, mas pelo grande público que se interessa pela Bíblia, independente da filiação eclesiástica.