Deus tudo criou bom: seres visíveis e seres invisíveis (Anjos)
abril 18, 2013
As indulgências do Santo Rosário e do Terço
abril 18, 2013

O mal no mundo, a Salvação – Deus “Pai”? Não “Mãe”?

criacaoPor que Deus é chamado “Pai”? E não “Mãe”?

37. Tudo o que Deus criou é bom?

Sim, tudo o que Ele fez e faz é bom: E Deus olhou tudo o quanto havia feito e viu que era muito bom (Gn 1,31).

38. Com entrou o mal, o pecado, a morte no mundo?

Deus criou seres livres, que podem decidir-se entra amá-l’O e adorá-l’O ou renegá-l’O. Assim medita o Sábio: Ora, Deus criou o ser humano para a incorruptibilidade, e o tornou imagem de sua própria natureza. A morte, porém, por inveja do diabo, entrou no mundo, e a sofrerão os que pertencem a ele (Sb 2,23-24).

39. O que é o pecado original?

A Igreja chama de “pecado original” o pecado de nossos primeiros pais, o pecado das origens: Foi por isso que a o pecado entrou no mundo como por um só homem e, pelo pecado, a morte, e assim a morte transmitiu-se a todos os homens naquele (Adão) que em quem todos pecaram … em virtude de sua solidariedade com a transgressão de Adão (Rm 5,12). Com efeito, herdamos de nossos antepassados não apenas soluções, mas também problemas.

40. Quem nos salva do pecado original?

É nosso Salvador, Jesus: Se, com efeito, pela falta de um só todos morreram, muito mais abundantemente se derramou a graça de Deus o dom gratuito que consiste na graça de um só homem, Jesus Cristo. Nem se compara a obra de um só pecador com o dom. Pois pelo pecado de um só chegou o juízo para a condenação. Mas o dom trouxe a justificação de muitas faltas. Se, portanto, pela falta de um só, reinou a morte por obra de um só, muito mais reinarão na vida aqueles que recebem a abundância da graça e o dom da justiça por obra de um só, Jesus Cristo (Rm 5,16-17).

41. Como recebemos a graça e o dom da justiça que apagam o pecado original?

Deixamos nossa solidariedade com Adão e recebemos a graça o dom da justiça de Cristo pela graça do Batismo, que destrói o pecado original: Ou ignorais que todos nós, batizados para Jesus Cristo, fomos batizados na sua morte? Com ele fomos sepultados pelo batismo na morte para que, assim como Cristo ressuscitou dos mortos pela glória do Pai, assim também nos vivamos vida nova. Porque se nos tornamos um só com ele, por uma morte semelhante à sua, seremos um só com ele também por uma ressurreição semelhante à sua … livres do pecado (Rm 6,3-7).

42. Por que Deus se revela como “Pai” e não como “Mãe”?

Na verdade, Deus se revela também com traços de Mãe, pois Ele contém todas as perfeições de suas criaturas em grau divino: Pois assim fala o Senhor: “Eis que lhe farei o bem-estar como um rio, e como águas trasbordantes das riquezas das nações. Sereis amamentados, sereis carregados nos braços, sereis acariciados sobre os joelhos. Como uma mãe consola sua criança, assim eu vos consolarei! Em Jerusalém sereis consolados!” (Is 66,12-13).

43. O que significa que Deus é Pai?

O termo Pai significa que Deus é semelhante a nós, mas também diferente de nós e origem de todo o bem, o Criador. De fato, as crianças saem de dentro da mãe. A sua ligação com ela é tão grande que levam tempo para perceber que são outras pessoas, e não um prolongamento da mãe. Psicologicamente, é a figura do pai a nossa primeira experiência do “outro”, do “diferente”. Assim as crianças crescem e percebem a si mesmos como próximos mas diferentes da própria mãe. Ora, nós somos criados à imagem e semelhança (Gn 1,26) de Deus; mas ele é o Outro, ele é diferente de nós: Pois eu sou Deus e não homem (Os 11,9). Deste modo, o nome “Pai” indica esta proximidade, ternura e amor de Deus Criador por nós e, ao mesmo tempo, esta diferença infinita. Por isso Ele também é chamado de “Céu” ou “Pai do Céu”: o céu nos é familiar, e nos envolve de dia e de noite, mas é, ao mesmo tempo distante. E quanto mais entramos no céu, mas temos por onde entrar.

44. Quem nos ensinou a chamar Deus de Pai?

Jesus nos ensinou a chamar Deus de Pai: Quando rezardes direis assim: Pai nosso … (Mt 6,9; Lc 11,1.2). Ele mesmo chamava Deus de ABBÁ!, que quer dizer “Papai”, “Meu Pai”, “Paizinho” (Mc 14,36). E o Espírito mesmo nos leva a dizer ABBÁ!, meu Pai! (Gl 4,6).

45. Por que os católicos não costumam chamar a Deus de Javé?

Javé é o nome de Deus revelado a Moisés e significa: Eu sou aquele que sou … Assim responderás aos israelitas: “Eu sou” me envia a vós” (Ex 3,14). “Eu sou” em hebraico é “Javé”. Jesus nos ensinou a chamar Javé, o Senhor Deus, de Pai.

46. Como Deus bom, sábio e todo poderoso tolera o mal no mundo e o sofrimento dos inocentes?

Esta pergunta é feita até mesmo pelos santos no céu: Quando se abriu o quinto selo, vi, abaixo do altar, vivos, os que tinham sido imolados (sacrificados, mortos) por causa da palavra de Deus e do testemunho que tinham dado. Eles gritavam com voz forte: “Até quando, Soberano santo e verdadeiro, tardarás a fazer justiça, vingando o nosso sangue contra os habitantes da terra?” (Ap 6,10).

A resposta divina mostra que nosso Pai do céu é o Salvador, o Pastor eterno de nossas almas (1 Pe 2,26) que quer reunir ao rebanho até a sua última ovelha perdida, o último dos seus eleitos: Então foi dada a cada qual uma veste branca e lhes foi dito que tivessem paciência ainda por um pouco de tempo, até que se completasse o número dos seus companheiros de serviço e de seus irmãos, que iriam morrer como eles (Ap 6,11). Na verdade, o Pai nosso é aquele que sabe esperar, com toda a paciência, a volta do filho pródigo para casa (Lc 15,11-31). Ele dá tempo e ocasião para que todos encontremos a salvação, acolhendo em algum momento da vida o seu dom de amor. Não nos força, mas nos chama e nos procura, por mais perdidos que estejamos.

São Pedro explica: O Senhor não demora, como alguns pensam, mas usa de paciência conosco, não querendo que ninguém se perca. Pelo contrário, quer que todos se convertam (2Pd 3,9)

47. Então, quantos são os salvos pela bondade e paciência do Pai?

Conforme a promessa que foi feita a Abraão, a multidão dos eleitos supera o número das estrelas do céu e dos grãos de areia do mar (Gn 15,5 e 22,17). Era uma imensa multidão que ninguém podia contar! Gente de todas as nações, tribos, povos e línguas (Ap 7,9).