Pediatras contra “a ideologia de gênero”
abril 7, 2016
“Palavras Duras de Jesus”, etc.
abril 14, 2016

O mandato do Senhor que nos amou até o extremo!

Páscoa: Amor até o fim (Jo 13,1)

Vemos Jesus coroado de glória e honra por ter sofrido a morte! Sim, pela graça do Pai, em favor de todos nós, Jesus provou a morte! “Convinha, de fato, que Aquele por Quem e para Quem todas as coisas existem, e que desejou conduzir muitos filhos à glória, levasse o Iniciador deles à consumação, por meio de sofrimentos” (Hb 29,10).

Portanto, em honra da Santa Cruz onde se completou a Salvação do Mundo, o lugar do Amor até o fim, “Lembremo-nos de Jesus Cristo, ressuscitado dentre os mortos! Ele é nossa Salvação e nossa Glória, hoje e sempre! Se com Ele nós morrermos, com Ele viveremos!” (2Tm 2,8).

Lembremo-nos! Como Jesus disse na Sua Ceia Derradeira: façamos isto, celebremos a Divina Eucaristia, em memória d’Ele! Tenhamos guardadas em nossos corações as preciosas palavras que brotaram de Seu Coração: “Desejei ardentemente comer esta Páscoa convosco antes de sofrer” (Lc 22,15).

Ouvindo nosso amado Jesus, vamos bendizê-lo, pois é o grande Deus e Salvador nosso (ver Tt 1,13). Dos altos céus Ele veio para nos visitar e libertar, o poderoso Salvador, da Casa de Davi, Seu servidor (ver Lc 1,68). “Hosana ao Filho de Davi! Bendito o que vem em Nome do Senhor”! (ver Mc 11,9).

Seu Amor é para sempre! Na Santa Ceia, Ele se deu inteiro no Pão e no Vinho: “Tomai e comei, tomai e bebei!” (ver Mt 26,26-27). Sim, como Ele próprio tinha afirmado na sinagoga de Cafarnaum: “Minha Carne é verdadeira comida! Meu Sangue é verdadeira bebida” (ver Jo 6,55). Carne e Sangue, dons de Jesus para nos nutrir e sustentar e consolar no caminho para a Ceia do Pai, para o Banquete da Vida!

Seu Amor é para sempre! Na Cruz ele tudo consumou (ver Jo19,30). Ele selou e confirmou o dom da Última Ceia: Seu Corpo dado e Seu Sangue derramado. Ele tudo firmou e confirmou com Seu Santo Sacrifício, amando-nos até o fim (ver Jo 13,1), até a última gota de sangue e de água de Seu Coração varado pela lança (ver Jo 19,34),

O que Jesus partilhou conosco?

Em primeiro lugar, a Si mesmo! Tudo Ele mandou que fizéssemos em Sua Memória. Nós o fazemos, sempre de novo: a mesma Ceia, o mesmo Sacrifício, a mesma entrega d’Ele na força bendita do Santo Espírito. Sempre de novo, celebramos a Divina Eucaristia, a boa e bela Ação de Graças por tanto Amor, imenso amor, o nosso imenso Bem!

Jesus partilhou conosco o Seu Sacerdócio. Graças a Ele somos o Povo Sacerdotal (ver 1Pe 2,9), que celebra, por toda a redondeza da Terra a Divina Eucaristia, o Santo Sacrifício! Ele próprio deu aos Apóstolos e seus sucessores este poder sagrado, este mandato bonito de presidir nossas assembleias litúrgicas. Nós os chamamos de “padres”, “pais”, e português antigo e no espanhol de hoje também. Eles são os ministros do Senhor, são os “pais” que alimentam o Povo Santo de Deus com o Pão e o Vinho consagrados: “Que o Santo Sacramento, que é o próprio Cristo Jesus, seja adorado e seja amado, nesta terra de Santa Cruz!”.

Partilhando conosco a Si mesmo (“Corpo, Sangue, Alma e Divindade”), Jesus, que foi concebido, por obra do Espírito Santo no seio virginal da Imaculada, Ele não se esqueceu de nos dar também a honra de ter Maria Santíssima como Mãe: “Mulher, eis aí o teu filho! Filho, eis aí tua Mãe! (ver Jo 19,26-27).

E, finalmente, partilhou conosco Sua misericordiosa Caridade, dando-nos exemplo para que o imitássemos no Lava-pés. Ele nos mostrou que somos Povo segundo Seu Coração, manso e humilde (ver Mt 11,29), capazes de nos abaixar para servir, com carinho e com cuidado, nossos irmãos caídos e necessitados!

Recentemente, nosso Papa Francisco, aprofundou com um gesto fora do costume, o sentido do Lava-pés. Nós estávamos habituados a ver no rito da Quinta-feira Santa escolhidos apenas homens, rapazes ou mesmo meninos, representando os Doze Apóstolos. O Papa colocou entre os doze convidados até mesmo uma menina muçulmana, presos cumprindo pena, fugitivos das misérias da guerra no próprio país. Ficou claro que nosso serviço, segundo o Coração de Jesus, é “católico”, isto é, a ninguém exclui, a todos inclui.

Vamos fazer como Jesus quer, vivendo Seu Evangelho na Santa Fé católica e apostólica! Amém!