Democracia com Tocqueville; Papa Francisco: séries de catequeses e homilias!
março 21, 2015
Papa Francisco aos jovens: casamento, teoria do gênero, o sínodo (Nápolis 22.03.15)
março 23, 2015

Oração segundo o Evangelho

Na quinta feira da 3ª Semana da Quaresma, a Igreja nos propõe ler a pregação de Tertuliano (século III) sobre o sacrifício espiritual, a oração que agrada a Deus e alcança seus objetivos. Meditemos!

– A oração é o sacrifício espiritual que aboliu os antigos sacrifícios. Diz o Senhor: “Que me importa a abundância dos vossos sacrifícios? Estou farto de holocaustos de carneiros, da gordura dos animais cevados. Não me agrado com o sangue dos touros, cordeiros e bodes. Quem vos pediu estas coisas?” (Is 1,11).

• Senhor, Tu és o Doador de tudo, tudo que possamos Te oferecer é Teu!

– O Evangelho nos ensina o que o Senhor pede. Ele diz: “Está chegando a hora, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e verdade” (Jo 4,23-24). Nós somos os verdadeiros adoradores e os verdadeiros sacerdotes, quando, orando em espírito, oferecemos o sacrifício espiritual da oração, como oferenda digna e agradável a Deus, aquela que Ele mesmo pediu e preparou.

• Meu Senhor e meu Deus, concede-me querer adorar-Te como queres ser adorado!

– Esta oferenda, apresentada de coração sincero, alimentada pela Fé, preparada pela Verdade, íntegra e inocente, casta e sem mancha, coroada pelo amor, é a que devemos levar ao Altar de Deus, acompanhada pelo solene cortejo das boas obras, entre Salmos e hinos. Ela nos alcançará tudo o que pedirmos. Que poderia Deus negar à oração que procede do espírito e da verdade, se foi Ele mesmo que assim exigiu? Todos nós lemos como são grandes os testemunhos de sua eficácia.

• Bom Jesus, certamente eu, que, tantas vezes, vou à Eucaristia distraído e com outros sentimentos, não entro na sala do banquete eucarístico com uma oração assim, nem mesmo com o acompanhamento alegre de boas obras. Só me resta apelar para Teu Coração para que me prepares! Para que me concedas orar como queres que eu ore! Agir, como queres que eu aja! Viver, como pede Teu Amor!

– Em tempos passados, a oração livrava do fogo, das feras, da fome. No entanto, não havia recebido de Cristo toda a sua eficácia. Quanto maior não será, portanto, a eficácia da oração cristã! Talvez, não faça descer sobre as chamas o orvalho do Anjo, nem feche a boca dos leões, nem leve refeição aos camponeses famintos, não impeça, milagrosamente, o sofrimento. Mas em auxílio dos que suportam a dor com paciência, aumenta a graça dos que sofrem com fortaleza, para que vejam, com os olhos da fé, a recompensa do Senhor, reservada aos que sofrem em Nome de Deus. Outrora a oração autêntica fazia vir pragas, derrotava os exércitos inimigos, impedia a necessária chuva. Agora, porém, a oração autêntica afasta a ira de Deus, vela pelo bem dos inimigos e roga pelos perseguidores. Será para admirar que faça cair do céu águas, se conseguiu que de lá descessem línguas de fogo? Só a oração vence a Deus, mas Cristo não quis que ela servisse para fazer mal algum. Antes, quis que toda a eficácia que lhe deu fosse apenas para servir o bem.

• Bom Jesus, quando sofremos perseguição, frequentemente pedimos que Teu braço forte esmague o nosso inimigo; ou que Tu, Médico de todos nós, afugente a dor, a velhice, a fraqueza e até a morte. Recusamos a Cruz, o Martírio, o caminho estreito, o Céu mesmo. Muda meu coração! Que ele bata em sintonia com o Teu, mesmo que eu não o entenda!

– Assim, a oração não tem outra finalidade senão tirar do caminho da morte as almas dos defuntos, robustecer os fracos, curar os enfermos, libertar os possessos, abrir as portas das prisões, romper as cadeias dos inocentes. Ela alcança perdão dos pecados, afasta as tentações, faz cessar as perseguições, reconforta os de ânimo abatido, enche de alegria os generosos, conduz os peregrinos, acalma as tempestades, detém os ladrões, dá alimento aos pobres, ensina os ricos, levanta os que caíram, sustenta os que vacilam, confirma os que estão de pé.

• Senhor meu, todos os grandes orantes foram gente boa, capaz de subir ao Calvário contigo, e passar, como Tu, fazendo o bem. Converte-me em verdadeiro adorador em espírito e verdade! Assim rogo a Ti, ó Crucificado, Rei dos Mártires!

– Oram os Anjos, oram todas as criaturas. Oram, do seu jeito, os animais domésticos e as feras, que dobram os joelhos. Mesmo as aves, quando levantam vôo, elevam-se par ao céu e, em lugar das mãos, estendem as asas em forma de cruz, fazendo algo semelhante a uma prece. Que dizer a respeito da oração? O próprio Senhor (Jesus) também orou! A Ele honra e poder pelos séculos dos séculos, amém!

• Teu poder é amor e amor misericordioso! Toda oração legítima, segundo Teu Evangelho, é para alcançar o amor-amor, ou para, a partir do amor sincero, alcançar todo o bem e toda graça para o mundo e cada pessoa, pois a todos amas! Converte-nos e seremos convertidos! Amém!
• Mãe do Belo Amor e de toda Santa Esperança, alcança-nos a Fé!