“Espera!” – Gonçalves Dias
julho 25, 2013
Entrevista do Papa, no voo para Roma, depois da JMJ-RIO
agosto 2, 2013

Palavras do Papa para meditar

Palavras do Papa para meditar

Você pode, simplesmente, pensar, refletir de si para si sobre estas palavras, ou pode rezar a partir delas. Como? Muito fácil: tome consciência da Presença de nosso Bom Jesus. Capriche num belo Sinal da Cruz, sinal de pertença a Cristo, de adesão a Ele a seu Corpo Místico, a Igreja, Povo de Deus. Depois leia uma das palavras. Observe como ele ressoa no seu interior. Se consolar, animar, inspirar, agradeça! Se causar perturbação, apresente a perturbação a Nosso Senhor, peça, suplique, insista… Se não causar nenhuma reação, apresente este vazio, para que, a seu tempo, o Espírito o preencha, agradeça e vá para a palavra seguinte.

* Todas estas palavras são tiradas das edições semanais de “L’Osservatore Romano” em português. No final de cada palavra, entre parênteses, está a data da respectiva edição.

solidãoorante

• Três pensamentos sobre o ministério petrino, guiados pelo verbo “confirmar”, Em que é chamado a confirmar o Bispo de Roma?

Em primeiro lugar, confirmar a fé (ver Mt 16,16). O papel, o serviço eclesial de Pedro tem seu fundamento na confissão de fé em Jesus, o Filho do Deus Vivo, tornada possível por uma graça recebida do Alto (…) Quando deixamos prevalecer os nossos sentimentos, a lógica do poder humano e não nos deixamos instruir e guiar pela fé, por Deus, nós nos tornamos pedra de tropeço. A fé em Cristo é a luz da nossa vida de cristãos e ministros da Igreja.

Em segundo lugar, confirmar no amor (…) O Bispo de Roma é chamado a viver e confirmar neste amor por Cristo e por todos, sem distinção, limite ou barreira. E não só o Bispo de Roma, mas todos vós… (devem) esquecer-se de si mesmos ao serviço do povo santo e fiel de Deus.

(Em terceiro), confirmar na unidade (…) E isto deve impelir a superar sempre todo o conflito que possa ferir o corpo da Igreja. Unidos nas diferenças: não há outra estrada para nos unirmos. Este é o espírito católico, o espírito cristão: unir-se nas diferenças. Este é o caminho de Jesus! (30.VI.13).

• A Providência quis que os dois (São Pedro e São Paulo) viessem a Roma e aqui derramassem o sangue pela fé. Por isso, a Igreja de Roma tornou-se, imediata e espontaneamente, o ponto de referência para todas as Igrejas espalhadas no mundo. Não pelo poder do Império, mas pela força do martírio, pelo testemunho dado a Cristo! No fundo, é sempre e só o amor de Cristo que gera a Fé e faz com que a Igreja vá em frente (30.VI.13).