Cântico ao Crucificado e Exaltado (Fl 2,6-11) – Vésperas da Sexta-feira Santa
abril 2, 2015
O projeto djadista * e explodir o mundo árabe
abril 10, 2015

Páscoa: “É necessário que nossa ressurreição seja como a de Cristo”

De São João Crisóstomo, Bispo e Doutor da Igreja*:

– O que significa: “Se o grão de trigo não cai na terra e morre” (Jo 12,24)? Jesus fala da crucifixão. Para que não se perturbassem ao ver que ele seria condenado à morte, justamente quando os gentios se aproximavam dele, lhes diz: “É isto mesmo que os fará vir até mim. Isto é o que estenderá o anúncio”. Em seguida, como não conseguia persuadi-los totalmente com suas palavras, os estimula, colocando-os diante da experiência e lhes diz: “O mesmo sucede com o grão de trigo, que, quando morre, aí é que frutifica. Se nas sementes assim se passa, muito mais acontecerá em mim”. Porém os discípulos não entenderam suas palavras. O evangelista repete com frequência este dado, para desculpá-los, porque logo se dispersarão…

R. Meu Senhor, muito me consola ver a dificuldade dos Teus amigos. Hoje, parece que nossos corações querem um deus que nos encha de saúde, beleza, defendendo de toda contrariedade, enfermidade e, finalmente da morte. Queremos o banquete da colheita sem o trabalho da semeadura. Eles também sonhavam com os dons da deusa Fortuna, abundância de bens e ausência de sofrimentos. Como agora, a cruz lhes era repugnante! Mas Tua Morte e Ressurreição os converteu e os convenceu! E eles se tornaram até Teus mártires! Converte-nos e convence-nos! Só Tu tens palavras de Vida Eterna (Jo 6,68)!

– Mas por que não admites a ressurreição da carne? Será por acaso impossível para Deus? Afirmá-lo seria recorrer ao extremo da necessidade. Mas não convém? Por que não convém que esta matéria corruptível, que padeceu os sofrimentos e a morte, participe também das coroas? Se não conviesse, no princípio nem sequer teria sido criado o corpo, e nem Cristo teria assumido nossa carne. Porém ele de fato a assumiu e ressuscitou. Ouve como ele mesmo o afirma: “Coloca aqui os teus dedos e vede que os espíritos não têm carne nem ossos” (ver Jo 20,27). Porque teria ressuscitado Lázaro desta fora, se era melhor ressuscitar sem corpo? Por que colocou a ressurreição no número dos milagres e benefícios? Para que fez dar alimento à ressuscitada (ver Mc 5,43)? Em consequência, caríssimos, que os hereges não vos enganem: existe ressurreição, existe Juízo. Negam isto todos os que não querem dar contas de suas obras. É necessário que a ressurreição seja como foi a de Cristo. Ele é a primícia e o primogênito dentre os mortos (ver 1Cor 15,20 e Cl 1,18).

R. Meu Jesus, que todos nossos corações creiam de verdade na ressurreição da carne e na vida eterna! Que repitamos, convictos, as palavras do patriarca Jó:

“Oxalá sejam escritas minhas palavras e gravadas no bronze, e no chumbo, com estilete de ferro, eternamente inscritas na rocha! Eu sei que meu Redentor vive e que, por último, Ele se levantará sobre o pó, e, atrás de minha pele, eu estarei de pé, e de minha carne, eu O verei. Eu mesmo O verei, eu mesmo. Meus olhos olharão e não outro!” (Jó 19,23-27).

* “Lecionário Patrístico Dominical”, Vozes / Petrópolis, RJ, 2013, PP.322-323.