“Celebrar a Liturgia”
março 25, 2015
Hino das Vésperas da Quinta-feira da Ceia do Senhor
abril 2, 2015

Ramos: “Carreguemos a Cruz do Senhor, para que, crucificando nossa carne, destrua o pecado”

De Santo Ambrósio, Bispo de Doutor da Igreja*:

– Quem ama os preceitos do Senhor, sujeita com cravos a própria carne, sabendo que, quando seu homem velho esteja com Cristo crucificado, destruirá a luxúria da carne. Sujeita-a, pois, com cravos, e terás destruído os incentivos do pecado. Existe um cravo espiritual capaz de sujeitar essa tua carne ao patíbulo da Cruz do Senhor: que o temor do Senhor e de seus juízos crucifique esta carne, reduzindo-a a servidão. Porque, se esta carne rejeitar os cravos do temor do Senhor, indiscutivelmente terá de ouvir: “Meu sopro não durará para sempre no ser humano, visto que é carne” [Gn 6,3: “Meu espírito não permanecerá para sempre no ser humano transviado, porque ele é carne”]. Portanto, a menos que esta carne seja cravada à Cruz, se lhe sujeite com os cravos do temor de nosso Deus, o sopro de Deus não perdurará no homem.

R. Meu Senhor e meu Deus, agora querem tirar a palavra “temor” das nossas bíblias e orações, pois se diz, com razão, que não és Deus de meter medo. Mas valha-me Tua Misericórdia para que eu leve a sério Tua Palavra, ame Teus mandamentos, acolha com veneração as inspirações do Teu Santo Espírito, creia que no Evangelho, apenas no Evangelho aceito e vivido, encontro o Caminho, Jesus. Que eu esteja tomado pelo santo temor, dom do Espírito (Is 11,2)! Que eu não me absolva a mim próprio, entregando-me a qualquer impulso e desejo! Que Tua Bondade não sirva de pretexto para que eu faça o mal e viva acomodado no que me ensinas que é erro, pecado, crime… Converte-me e serei convertido! Seduze-me e serei seduzido (Jr 31,18).

Meu Jesus, eu agora Te contemplo lanhado pelo chicote, coroado de espinhos, cravado na madeira da Tua Santa Cruz! Recordo o que me ensinaram: Tu, Filho Eterno do Pai Eterno estás nela, amando-nos até a última gota de sangue! A madeira que sustenta Tua entrega, significa o Pai, que Te dá toda Sua força para que Tua Humanidade padeça com amor até o extremo. Os cravos, que nela Te fixam, significa o Santo Espírito de Amor, que Te firma nesta entrega incomparável: o Justo que morre em favor dos injustos!

– Carreguemos, portanto, a Cruz do Senhor, para que, crucificando nossa carne, destrua o pecado. É o temor que crucifica a carne: “Aquele que não carrega sua cruz e me segue não é digno de mim” (MT 10,38). Digno é quem está possuído do amor de Cristo até o ponto de crucificar o pecado da carne, A este temor segue-se a caridade que, sepultada com Cristo, não se separa de Cristo, morre com Cristo, é sepultada com Cristo, ressuscita com Cristo.

R. Quando amamos com veneração a Ti, experimentamos o temor de fazer coisas que Te firam, que deem contra testemunho do Teu Evangelho, que manchem a visão de Tua Igreja, que desmereçam o Sangue que derramaste. Que Teu Espírito Santo nos vença e convença à sombra luminosa de Tua Santa Cruz! Que percamos o medo do caminho estreito que leva à salvação, e nos encha de medo cair em tentação, para que nada em nós Te fira e Te magoe!

“Vitória, tu reinarás,
Ó Cruz, tu nos salvarás!”

* “Lecionário Patrístico Dominical”, Vozes / Petrópolis, RJ, 2013, PP.324-325)