Treze Santos – São Paulo Apóstolo (1) – Saulo de Tarso
abril 27, 2013
Treze Santos: São Paulo Apóstolo (2ª parte)
abril 27, 2013

Santa Teresinha do Menino Jesus

sterezinhaUma santa filha de bem-aventurados: Santa Teresinha, patrona do Apostolado da Oração e das Missões com São Francisco Xavier

Recentemente os Pais de Santa Teresinha foram beatificados por decisão do Santo Padre Bento XVI. O pai, Luís Martin era relojoeiro na cidade do interior da França, Alençon; Sua mãe, Zélia Guérin, dirigia uma oficina de rendas. Tiveram 5 filhas, e todas se tornaram irmãs (4 carmelitas e 1 visitandina). Teresinha nasceu em 1873, entrou no Carmelo da cidade de Lisieux, em 1888, morrendo em 1895. Sua fama de santidade e milagres se espalhou pelo mundo católico. Sua autobiografia foi e é um sucesso imenso de público. Canonizada em 1925,  em 1927 ela foi proclamada padroeira das missões, junto com São Francisco Xavier. A data da fundação do 1º Centro do A.O. é 3 de dezembro de 1844, dia de São Francisco Xavier, padroeiro das Missões e padroeiro do AO. Assim o famoso missionário jesuíta, que andou e navegou pelas terras do Oriente e pelas ilhas da Indonésia, tem a companhia de uma santa carmelita que viveu, a maior parte de sua vida na clausura.

Santa Teresinha é a santa dos pequenos, dos anônimos, dos humildes, dos que nunca fizeram grandes prodigiosas nesta vida, mas passaram neste mundo amando e fazendo o bem, exatamente como Jesus, Maria e José. É impressionante que uma jovem, na vida conhecida por tão pouca gente, seja co-padroeira da França (1944) ao lado de Santa Joana d’Arc, célebre figura da história. Também é impressionante que São Pio X tenha dito que ela era a “maior santa dos tempos modernos”! Ou que o grande Papa João Paulo II a tenha declarado solenemente “Doutora da Igreja”! Assim ela foi colocada com Teresa de Jesus e Catarina de Sena, ao lado de nomes como Santo Antônio, Pedro Canísio e Roberto Bellarmino, Agostinho, Ambrósio, João Crisóstomo, Basílio…

 O mês de outubro é o mês do Santo Rosário. Santa Teresinha foi devota deste modo maravilhoso de rezar. Ela amava ternamente Nossa Senhora. Foi recolhida uma reflexão dela que bem mostra este amor e a compreensão do papel da Virgem Santíssima na nossa santificação: “Sabe-se que a Santa Virgem é a Rainha do Céu e da Terra. É, porém, mais mãe que rainha. Não se deve acreditar (como tenho ouvido dizer frequentemente) que ela, por causa de suas prerrogativas, eclipse a glória dos santos, como o sol, que, quando surge, faz desaparecer a luz das estrelas. Meu Deus, como isto é estranho! Uma mãe que faça desaparecer a glória dos filhos! Creio precisamente no contrário: ela aumentará muito o esplendor dos eleitos” (“Últimas Palavras”, “Obras Completas”, Loyola / SP, 1997, p.1177). Sim! A glória de Maria, de todos os santos, de Santa Teresinha e seus bons pais é a glória do nosso Salvador, Jesus!