Santa Apolônia (9 de fevereiro)
abril 27, 2013
Santo Egídio (1º de setembro)
abril 27, 2013

Santo Elias, Profeta (20 de agosto)

Não costumamos pensar em santos quando falamos das pessoas de outras comunidades religiosas, ou de pessoas do Antigo Testamento, com poucas e contadas exceções, como São João Batista e seus Pais, Zacarias e Isabel; ou Santa Ana e São Joaquim e mesmo São José!

Mas o grande profeta Elias (século IX a.C.) foi amigo de confiança de Deus, portador do Espírito, corajoso participante da história de nossa salvação.
O seu nome é cheio de significado. Dizem os estudiosos que Elias quer dizer “meu Deus é Javé”. Os Livros dos Reis dão enorme destaque a sua missão (1Rs 17, 19 e 21; 2Rs 1).
Nos seus dias, a caridade tinha esfriado, e a corte de Acab e da mal afamada Jezabel, princesa pagã ligado aos terríveis cultos cananeus, que incluíam sacrifícios humanos, dava muito mau exemplo e oprimia o povo. Muitos tinham deixado a verdadeira religião e adoravam ídolos devassos e sanguinários. Elias teve a missão de confrontar este elite corrupta e os que tinham deixado o Deus de Abraão, Isaac e Jacó – Deus dos Vivos e não dos mortos (). Não ficou apenas nos aspectos que poderíamos chamar de religiosos, mas atuou em situações de injustiça. Um exemplo que marcou a memória de seus contemporâneos foi a história do crime de Jezabel e Acab contra Nabot.
Nabot era proprietário da vinha, com limites ao terreno do palácio. Acab, querendo ampliar seu palácio, propôs a compra da propriedade de Nabor, que se recusou a vender, pois era a terra que herdara de seus pais. Acab ficou muito contrariado. Jezabel tomou em suas mãos a “solução do problema”: arranjou uma falsa denúncia contra Nabot e fez com que fosse apedrejado até a morte. Elias protestou valentemente contra tal aberração, sendo perseguido e tendo de se esconder para não ser também vítima da raiva de Jezabel.
A tradição entre os antigos israelenses era de que Elias voltaria para preceder o Cristo (o Messias). Jesus diz que João Batista o tinha precedido com o espírito de Elias (Mt 11,14; 17,11-12; Mc 9,12-13).
Elias teve seus erros, seus momentos de desânimo, a ponto de querer a morte, mas sempre se levantou e serviu a Deus e ao povo até ser arrebatado para o céu (2Rs 2,11). Bom exemplo e intercessor para nós, chamados pelo Batismo a sermos membros do povo de reis, sacerdotes e profetas (1Pe 2,9). Trabalhemos com fé para a Justiça de Deus, Justo Juiz se implante nas relações das pessoas e dos povos!