O Jubileu da Misericórdia – 2 – As Obras de Misericórdia
dezembro 1, 2015
Suma contra os Gentios II; História do Mal de Alzheimer; Psicopedagogia clínica e institucional; O Mal e a aventura da Liberdade; Retiro Quaresmal 1916
dezembro 3, 2015

São Francisco Xavier – Co-padroeiro das missões e do Apostolado da Oração – 3 de dezembro

São Francisco Xavier (3 de dezembro)
Co-padroeiro das Missões e do Apostolado da Oração

Quem diria… O jovem atleta, campeão de saltos na Universidade de Paris, o incansável descobridor para os seus contemporâneos europeus das maravilhas do distante Oriente, o pioneiro em revelar ao mundo o talento da cultura japonesa, o aventureiro que chegou quase aos extremos do imenso arquipélago indonésio e percorreu as costas da Índia, ficou esgotado! Os marinheiros de um navegador português amigo fizeram para ele uma tosca proteção na praia daquela ilha, de onde ele pretendia passar á China, terra proibida aos estrangeiros sob pena de morte. Mas a morte chegou no dia 3 de dezembro, e o navio que se arriscava ao naufrágio diante da aproximação da temporada dos tufões nos mares do Extremo Oriente, partiu, afinal, levando seu corpo, que chegou intacto a Goa, Índia ocidental.

Dele se contam muitos milagres, até de ressurreição dos mortos. Seus dois milagres mais duradouros, porém, são a Companhia de Jesus, que, com outros animosos amigos, ajudou Santo Inácio de Loyola a fundar, e “suas” cristandades, que perseveram até hoje no Japão, Amboim, Java, Malaca, Japão… E seu serviço ao Evangelho, sem armas, e, na maior parte do tempo sem bagagens, durou apenas dez anos!

Nestes dez anos, ele fundou a Santa Casa e o Colégio jesuíta para indianos em Goa. Já tinha reorganizado o depósito de doentes em Moçambique, transformando-o num lugar decente, cuidado por uma Irmandade, e isto quando estava de passagem. Foi também a lugares desconhecidos para os europeus, às vezes até de jangada. Aprendeu os rudimentos de línguas diversas, redigindo catecismos elementares, angariando amigos e batizando novos cristãos, que serviriam de apoio para os missionários, que ele foi enviando, na medida em que Deus os concedia. A quem o censurasse por suas repetidas ausências de Goa, ele explicava, com paciência, que não podia enviar um companheiro a um lugar e a um povo do qual ele mesmo não tivesse algum conhecimento pessoal, para dar as instruções que servissem nos começos. Garantia aos outros o que ele mesmo não pudera ter!

Padroeiro das missões com Santa Teresinha, também com ela é padroeiro do Apostolado da Oração, uma das maiores senão a maior associação católica mundial, exército de “formiguinhas de Deus”, rezando e trabalhando para que o Coração de Jesus seja, cada vez mais, “Rei e Centro de todos os corações”.