Leitura Orante: “A fraqueza de Deus é mais forte que os homens”
agosto 24, 2015
1o de Setembro – Dia Mundial da Criação – Santa Missa do Papa!
agosto 27, 2015

Vieira: Obra Completa: História do Futuro e Defesa diante da Inquisição

Padre António Vieira, “Obra Completa – Tomo III – Volume I – História do Futuro” (Direção: José Eduardo Franco & Pedro Calafate; Coordenação: Pedro Calafate), Loyola / SP 2015, 24×15, 614 pp.

Pedro Calafate, que coordeno o presente volume, também é responsável pela Introdução Geral à Obra Profética (ibid. PP 11-28) e pela Introdução ao Volume I da Obra Profética (ibid. pp. 29-48). Estas introduções são de leitura obrigatória a quem quiser se aventurar pelos “mares nunca dantes navegados” da enorme erudição de Vieira, e, sem se deter na sua interpretação lusófila da história, aproveitar a ampla visão e a utopia do Padre. O primeiro volume deste tomo III, tem como título: “História do Futuro e Voz de Deus ao Mundo, a Portugal e à Baía”. Também traz o “Livro Anteprimeiro da História do Futuro” com sua página inicial: “Prolegômenos a toda ‘História do Futuro’, em que se declara o fim e se provam os fundamentos dela”. A História do Futuro pretende apoiar-se nas profecias para esquematiza-las formando uma história, como explica Pedro Calafate: “Das profecias não podia dizer-se que fossem história, por que ‘os profetas ‘não guardam nelas estilo nem leis da história’, pois ‘não distinguem os tempos, não assinalam os lugares, não individuam as pessoas, não sequer a ordem dos casos e sucessos’. Essa será, portanto, a tarefa de Vieira, historiador não apenas do passado, mas também do futuro, vivendo num presente onde estes dois hemisférios se cruzavam, munido dos textos dos profetas, bom como do saber acumulado pelos homens, nos planos da geografia, cronologia, astronomia e demais ciências profanas, permitindo-se por isso, considerar que o tempo era ‘o melhor intérprete das profecias'” (ver p. 13). Assim sendo, o leitor interessado na história da cultura, em especial do período renascentista, encontrará neste ambicioso trabalho do jesuíta uma enciclopédia do saber do seu tempo. O estudioso de teologia encontrará interesse na discussão de Vieira sobre o que faz uma palavra ser tida como profética e verdadeira. E o leitor amante da nossa língua sempre se deliciará com a fluidez e ousadia do literato.

Padre António Vieira, “Obra Completa – Tomo III – Volume II – Defesa diante do Tribunal do Santo Ofício” (Direção: José Eduardo Franco & Pedro Calafate; Coordenação: Paulo Borges), Loyola / SP 2015, 24×15, 580 pp.

Este volume interessará e muito também aos historiadores, porque é um testemunho dos procedimentos do Santo Ofício na península ibérica. Por outro lado, é uma brilhante peça do grande escritor e pensador. Vieira mostra, mais uma vez, sua capacidade criativa e seu conhecimento da política e mentalidade da época, além da extraordinária erudição. Um dos aspectos mais poderosos deste Defesa está na sustentação de que “os dois povos gentílico e judaico se hão de unir universalmente na fé de Cristo” (PP 315-339).